Menu
16 de julho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Rota

Bioceânica movimentará até US$ 1,5 bi

Levantamento foi apresentado pela Federação da Indústria

11 Mai2019Laureano Secundo12h03

Com potencial de movimentar US$ 1,5 bilhão por ano em exportações de carnes, açúcar, farelo de soja e couros, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems, a indústria de Mato Grosso do Sul será diretamente beneficiada pela implantação do Corredor Rodoviário Bioceânico, discutida durante reunião realizada nesta sexta-feira (10/05), na Governadoria, em Campo Grande (MS), na presença de autoridades do Estado e do setor produtivo. 

A diretora da Fiems, empresária Cáudia Volpini, que participou do encontro, afirmou que a chamada Rota Bioceânica representa a criação de uma nova alternativa logística para a produção industrial do Mato Grosso do Sul, beneficiando principalmente as exportações voltadas para o mercado asiático. “A concretização da Rota Bioceânica trará importantes avanços para a indústria do Estado, especialmente no que diz respeito às exportações do que é produzido aqui”, declarou.

Ela acrescenta que há uma grande expectativa em torno dos investimentos não somente em termos de logística, mas também nos avanços estruturais que essa alternativa vai exigir. “Isso vai beneficiar as empresas que já estão aqui instaladas, atraindo novos investimentos e tornando Mato Grosso do Sul mais competitivo em relação aos demais estados brasileiros”, avaliou.

O governador Reinaldo Azambuja destacou as oportunidades de desenvolvimento econômico do Estado. “Existe uma crescente demanda dos países asiáticos pelos produtos brasileiros, por isso se faz necessário encurtar distâncias. Isso não se faz no curto prazo, é preciso planejamento e investimentos, e no médio e longo prazo vejo a Rota Bioceânica como oportunidade de o Brasil e Mato Grosso do Sul se tornarem ainda mais fortes na exportação”, considerou.

A reunião contou com a divulgação de diferentes estudos de viabilidade apresentados pelo coordenador-geral de assuntos econômicos latino-americanos e caribenhos do Ministério das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson de Castro, pelo técnico do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada),Pedro Silva Barros, e por Cícero Rodrigues de Melo Filho, da EPL (Empresa de Planejamento e Logística do Governo Federal).

“O Corredor Bioceânico tem potencial de tornar os preços dos fretes mais competitivos e é preciso conclui-lo em um menor intervalo de tempo possível. Para tanto, é preciso focar na revitalização da ferrovia Malha Oeste e do ramal que liga Ponta Porã a Campo Grande, que está parado. Desta forma, é possível reduzir a dependência de Mato Grosso do Sul dos portos de Paranaguá (PR) e de Santos (SP), reposicionar o Estado como um redistribuidor de cargas, impulsionar o turismo e trazer o desenvolvimento, inclusive para o interior do Estado”, resumiu o coordenador do Ministério das Relações Exteriores.

Também participaram da reunião os deputados federais Luiz Ovando e Beatriz Cavassa, os secretários estaduais Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e Felipe Mattos (Fazenda), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Corrêa, e outros representantes do setor produtivo estadual e da empresa de gestão logística Ravex.

 

Veja Também

Contribuinte pode parcelar dívidas do IPVA em até 10 vezes
Inadimplência do consumidor cresce 0,9% no primeiro semestre de 2019
Receita paga hoje restituições do 2º lote do Imposto de Renda
Brasil Pequenos negócios têm até segunda para retornar ao Simples Nacional Comitê Gestor do Simples Nacional editou, no último dia 3, resolução que permite a volta ao Simples
Produção de motocicletas aumenta 8,4% no primeiro semestre
Inflação oficial é de 0,01% em junho, diz IBGE
Sexta parcela do IPTU vence nesta quarta com 5% de desconto
Famílias endividadas aumenta pelo sexto mês consecutivo
Com adesivo gigante, Fiems manifesta apoio às reformas
Mapa e Ciência e Tecnologia fazem parceria