Menu
7 de dezembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Crise na Bolívia

Risco de redução de fornecimento

Crise pode impactar pagamento de royalties ao Governo de MS

13 Nov2019Laureano Secundo10h15

Nesta terça-feira, a YPFB enviou uma carta de teor parecido à argentina Ieasa, explicando que um grupo de pessoas tomou um campo de produção e estações de bombeamento da empresa e que não descartava a invasão de outras instalações de produção ou de transporte de gás natural.

A estatal petrolífera boliviana YPFB informou à Petrobras e à companhia de integração energética da Argentina, Ieasa , que a crise política na Bolívia agravada pela renúncia do presidente Evo Morales no domingo pode atrapalhar o fluxo normal de gás para o país vizinho, com flutuações no volume transportado ou interrupções.

 A Petrobras, uma das principais compradoras do gás natural boliviano, por meio do Gasoduto Brasil-Bolívia ( Gasbol ), informou que recebeu, na última segunda-feira, um comunicado da YPFB sobre eventual variação na entrega de gás.

“A YPFB, ao encontrar-se impedida de cumprir suas obrigações no marco do contrato de compra a e venda de gás natural, por um evento fora de seu controle, invoca a liberação do cumprimento de suas obrigações devido a um evento de força maior/caso fortuito”, informou a carta da empresa boliviana. No entanto, a empresa boliviana usa a expressão "força maior" para justificar eventual descumprimento do contrato.

Veja Também

Negociação de débitos começa na segunda-feira
Energisa sorteia 30 geladeiras em ação social no Bairro Aero Rancho
Inicia amanhã saque imediato do FGTS para nascidos em Setembro e Outubro
Confira horário e funcionamento do comércio em Dezembro
Mercado financeiro eleva estimativa de inflação este ano para 3,29%
Sindicato das indústrias metalmecânicas de MS tem nova diretoria
Desvalorização da moeda se deve a fatores externos, diz Bolsonaro
Sicredi inaugura primeira agência em Ribas do Rio Pardo
Mercado financeiro eleva estimativa de inflação este ano para 3,52%
Bancos fazem mutirão para negociar dívidas em atraso