Menu
23 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Economia

Queda da taxa de juros tem de ser mais rápida, diz presidente da Fiems

Para Sérgio Longen, ideal seria a taxa estar no mesmo patamar da inflação

7 Set2017Da redação12h54

A decisão do Banco Central de manter a trajetória de queda da taxa básica de juros, reduzindo a Selic para 8,25% ao ano, foi acertada, mas ainda está em um ritmo lento, conforme avaliação do presidente da Fiems, Sérgio Longen. “Em uma inflação anual de menos de 3%, juro de 8,25% ao ano ainda é alto para a retomada do crescimento. Por isso, penso que essa redução deveria ser mais rápida, que essa redução poderia avançar de forma mais acelerada”, afirmou.
 
Ele acrescenta que o ideal seria a taxa básica de juros estar no mesmo patamar da inflação ou um pouco acima. “Ainda está muito aquém da necessidade, mas devemos reconhecer que o Governo está indo no caminho positivo com essas medidas econômicas e essa é a direção da recuperação do Brasil”, analisou.
 
O presidente da Fiems reforça que acredita na equipe econômica do Governo Federal e no equilíbrio da gestão das contas. “Embora haja alguns episódios pontuais, como esse socorro ao desmantelo do Governo do Rio de Janeiro, mas temos de reconhecer que o presidente Michel Temer tem tomado decisões voltadas ao equilíbrio da economia e isso é muito positivo”, finalizou.

 

Veja Também

Fábrica de papéis pode se instalar em Três Lagoas após votação na Câmara
Maggi vai tratar com Rússia e China sobre embargo à carne brasileira
Procon divulga nova pesquisa sobre preços de combustíveis
Copa e namorados impulsionaram compras
Economia Copom inicia hoje reunião para definir taxa Selic Meta de inflação, que é de 4,5% neste ano, com limite inferior de 3% e superior de 6%
MS bate recorde na contratação do FCO em cinco meses em 2018
Confederação prevê nas vendas do setor de serviços em 2018
Copa do Mundo pode movimentar mais de R$ 20 bilhões
Exportações de MS crescem 45%
Caixa divulga novo calendário de pagamento do PIS