Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Campo Grande

Prefeito manda secretarias economizarem

Foi determinada redução de, no mínimo, 30% dos gastos, comparando ao que foi custeado em 2018

8 Ago2019Da redação15h05

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), determinou que as secretarias reduzam os gastos em, no mínimo, 30%, em comparação ao custeio do ano passado. A exigência consta de decreto publicado nesta quinta-feira (8), no Diário Oficial de Campo Grande.

O decreto inclui serviços de publicidade e propaganda; festividades e homenagens; combustíveis e lubrificantes, bem como manutenção e conservação de veículos leves; aquisição de material de consumo e serviços; e contas de água e esgoto, energia elétrica, telefone fixo e móvel, e internet.

A publicação ainda determina que até o dia 31 de agosto de 2019 os órgãos, entidades e fundos municipais informem o valor total estimado para redução das despesas.

Também há restrição para as cedências com ônus para o Município, que ficam proibidas até 31 de dezembro de 2020. A exceção ocorre apenas em casos que implicarem parcerias, convênios ou termos de cooperação técnica.

“São medidas que tomamos para dar segurança ao funcionalismo, garantindo pagamento dos salários em dia, e para manter os investimentos fundamentais para que nossa cidade se desenvolva”, justificou o prefeito.

 Prefeitura já havia publicado decreto semelhante em 2017, quando determinou a redução de, no mínimo, 20% (vinte por cento) em relação à média dos gastos efetuados no ano de 2016, das despesas de custeio.

Veja Também

Arrecadação mostra sinais de recuperação gradual da economia
Caixa estuda criar crédito imobiliário com juros prefixados
Ministro de Bolsonaro encerra encontro
Sicredi disponibiliza financiamento de veículo em aplicativo
Governador abre Reunião por Bioceânica
Aneel reduz tarifa de energia em cinco cidades de MS
Vice-presidente da Fecomércio assume vaga na Câmara Brasileira de Serviços
Em MS, apenas 36% dos donos de negócios contribuem para previdência
Economia opera abaixo da capacidade em todo o Brasil,
MS tem a 4ª menor taxa de desocupação