Campo Grande •21 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Da redação | Segunda, 28 de Agosto de 2017 - 13h31Paraguai garante asfaltar 678 km da rota bioceânicaMinistro paraguaio disse que país investirá mais de R$ 3,4 bilhões na obra

(Foto: Silvio Andrade/Governo de MS)

Enquanto a caravana formada por empresários e representantes do Governo de Mato Grosso do Sul e da Prefeitura de Campo Grande avança pelo norte da Argentina e Chile propagando a Rota da Integração Latino-Americana (Rila) formada por quatro países como o corredor mais viável para as exportações da região Centro-Oeste, o Paraguai garante que em três anos concluirá a pavimentação de 678 km desse tronco rodoviário.

Ao se encontrar com a caravana que saiu de Mato Grosso do Sul na sexta-feira (25.8) – são mais de 80 pessoas viajando em 24 caminhonetes -, na província de Boquerón, o ministro das Relações Exteriores, Didier César Olmedo Adorno, proclamou que o seu país investirá mais de R$ 3,4 bilhões na obra. O dinheiro sairá de uma aliança do governo paraguaio com o setor privado.

A palavra de Olmedo era o endosso que o governo de Mato Grosso do Sul e os empresários do setor de transporte rodoviário tanto esperavam para viabilizar o novo tronco logístico que encurtará em 8 mil km o passeio dos produtos da região para a Europa e Ásia. Sem o asfalto do lado paraguaio, que cortará o Chaco, de Carmelo Peralta a Pozo Hondo, na fronteira com a Argentina, o projeto de integração comercial entre os quatro países não se concretizará.
Licitação concorrida

“Já licitamos o primeiro trecho, de Carmelo Peralta (fronteira com Porto Murtinho) e Marechal Estigarribia, de 277 km”, disse o ministro, acentuando que a obra exigirá mais de 60% dos recursos previstos devido sua complexidade por passar pelo Pantanal (Chaco) paraguaio. Quatro empresas, de origem portuguesa, chilena, brasileira e argentina, disputam o leilão para executar o audacioso projeto. O segundo trecho, de 401 km, ligará Estigarribia a Pozo Hondo.

A fala do ministro em reunião com empresários da maior cooperativa de derivados de carne e leite do Chaco ganhou ressonância com a divulgação da Carta Loma Plata (província paraguaia), subscrita pelas autoridades das cidades argentinas e chilenas por onde passará a rota de apoio ao acordo bilateral. “Estamos concluindo até dezembro o projeto da segunda fase e em três anos vamos comemorar aqui essa conquista”, disse Olmedo.

Presente a esse encontro, do qual participou também a caravana de MS, o coordenador de Assuntos Econômicos do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, João Carlos Pakinson de Castro, ratificou a confiança do Brasil no compromisso assumido pelo Paraguai. Ele disse que a construção da ponte de concreto sobre o rio Paraguai, entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta, também é fato consumado e depende apenas de aprovação do Congresso.

Churrasco e discurso - Parkinson acompanha a segunda viagem da caravana aos quatro países que compõe a Rila, cuja iniciativa do Sindicato das Empresas e Transporte de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul (Setlong) ganhou esta semana mais um integrante, o embaixador do Chile no Brasil, Haroldo Muñoz. A caravana iniciou o reconhecimento do corredor bioceânico por Porto Murtinho e percorrerá 6 mil km (ida e volta), chegando aos portos de Iquiqui, no Chile.

A penetração das caminhonetes da Rila 2 por caminhos de difícil acesso mostra que o Paraguai não acompanhou o ritmo das obras estruturantes realizadas pelos seus vizinhos. O Chaco é uma das regiões de maior produção de carne bovina do continente sul-americano, contudo, o gargalo chama-se transporte, por falta de boas estradas, conforme se expressou o governador da província de Boquerón, Edwin Pauls. Entusiasmado com o projeto, ele integra a caravana.

O pior trecho da rodovia paraguaia que liga as fronteiras com Mato Grosso do Sul e a Argentina, a ser asfaltado, concentra-se entre Boquerón e Pozo Hondo, de quase 500 km. O clima semiárido da região ainda contribui para dificultar o escoamento da produção e também freia o desenvolvimento dos vilarejos. O fino pó de areia depositado no leito da estrada de terra faz da profissão dos caminhoneiros uma aventura perigosa e desgastante.

Argentina cumpre - A chegada da caravana em Pozo Hondo foi comemorado com churrasco e discursos otimistas com a promessa do asfalto. O secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, que integra o grupo, ao lado do subsecretário, Helianey Silva, se reuniu com a comunidade, ao lado da estrada, para dizer que o Governo de Mato Grosso do Sul tem a palavra do presidente Michel Temer de que a obra da ponte de concreto começa em 2018. “É fato concreto”,

Ao deixar o Paraguai, a caravana seguiu por mais um trecho de terra em território argentino, logo entrando na rodovia 54 (asfaltada), que forma o eixo rodoviário proposto, chegando a bela cidade de São Sebastião de Jujuy. As autoridades argentinas garantiram que os 26 km de revestimento primário dessa rodovia serão pavimentados em 2018. O trecho mais crítico situa-se na fronteira com o Paraguai, na localidade de Passo de Jama, mas as obras já começaram.

Veja Também
CDL Campo Grande empossa novo presidente nesta terça-feira
Promoção da Sicredi Centro-Sul MS chega à reta final
MS tem menos devedores em 2017
Campanha Nome Limpo começa hoje
Taxa de religação de energia é considerada ilegal
Campanha Nome Limpo espera atender 15 mil pessoas
Comércio pode não ter horário especial de Natal este ano
Agência da Energisa abre no sábado para negociar débitos dos clientes
Plantão do IPTU atenderá contribuintes neste sábado
Sexta, 17 de Novembro de 2017 - 07h20Começa a segunda etapa de pagamento do PIS-Pasep a idosos Pagamentos começaram em outubro deste ano
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento