Menu
21 de janeiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Economia

Novo salário mínimo compra duas cestas básicas e mais 1 kg de carne

O valor considera itens frequentes da mesa do brasileiro como arroz, feijão, farinha, carne, café, batata e tomate

15 Jan2020R7.com07h50

Com o novo salário mínimo de R$ 1.045 que vigorará a partir de fevereiro é possível comprar duas cestas básicas (R$ 1.013) e mais um quilo de carne (R$ 31.52) por mês.

De acordo com dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a cesta básica em São Paulo custava, em média, R$ 506,50 em dezembro. O valor considera itens frequentes da mesa do brasileiro como arroz, feijão, farinha, carne, café, batata e tomate.

Segundo o IBGE, a renda média mensal de 60% dos trabalhadores brasileiros — o correspondente a 54 milhões de brasileiros empregados com carteira assinada ou na informalidade — foi menor que um salário mínimo em 2018. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc), que trata de todas as fontes de rendimento, divulgada no ano passado.

Além disso, cerca de dois terços das aposentadorias e pensões pagas pelo INSS são de um salário mínimo. Segundo dados do Dieese, o salário mínimo necessário para uma família de 4 pessoas era de R$ 4.342,57 em dezembro. O valor, calculado com base no custo da alimentação, é 4,15 mais que o os R$ 1.045 estipulados pelo governo federal atualmente.

O piso mínimo que valerá a partir de fevereiro é maior do que o previsto inicialmente pelo governo. No ano passado, Bolsonaro fixou o salário mínimo em R$ 1.039 — reajuste de 4,1% em relação ao piso vigente até dezembro de 2019, R$ 998.

O reajuste não foi suficiente para repor a inflação e ficou abaixo do INPC (Índice de Preços ao Consumidor) de 2019, que foi de 4,48%. O reajuste também incorpora resíduo da inflação de 2018 que não havia sido incorporado ao piso mínimo vigente em 2019.

Bolsonaro se antecipou à mudança que deveria acontecer no Congresso e preferiu editar uma outra MP (Medida Provisória) para recompor a inflação de 2019 a partir do fevereiro. Segundo apurou o Estado, o governo já tinha recebido sinais de que o Congresso daria o reajuste integral. O governo quis evitar o carimbo de ter dado um reajuste abaixo da inflação e que o Congresso saísse vitorioso.

Veja Também

Centro-Oeste receberá R$ 7,1 bilhões para produtores
Sebrae inicia orientação gratuita sobre Declaração Anual do MEI
Brasil e Alemanha firmam acordo de no setor agrícola
Confiança do empresário melhora lentamente
Previsão de nova safra recorde
Número de abertura de empresas em 2019 é o maior dos últimos seis anos
MS constitui 7 mil empresas em ano de simplificação na Jucems
Seguradora diz ter recebido 386 mil pedidos de restituição do Dpvat
Novo saque do abono do PIS/Pasep começa nesta quinta-feira
Governo aumenta projeção de crescimento do PIB para 2,40% em 2020