Campo Grande •22 de Outubro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner FM Cidade

Da redação | Terça, 4 de Outubro de 2016 - 16h15Ministro apoia decisão da suspensão de crédito para termelétricasBNDES estabeleceu novas condições de financiamento para o setor elétrico

O ministro do meio ambiente, Sarney Filho, celebrou, nesta terça-feira, dia 4, a decisão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que prioriza o financiamento a energias alternativas e a suspensão do crédito para a construção de usinas térmicas a carvão e óleo combustível.

“Essa medida reforça a política ambiental do governo federal, conduzida pelo Ministério do Meio Ambiente”, comentou o ministro. “É um passo importante rumo ao cumprimento do Acordo de Paris”, completou.

O BNDES estabeleceu novas condições de financiamento para o setor elétrico, de modo que os projetos de fontes renováveis de geração de energia poderão ter financiamento de até 80% e acesso à taxa de juros mais baixa do banco. O governo irá promover a construção de usinas menos poluentes e, assim, a matriz energética brasileira além de tornar-se mais limpa, passa também a ser mais sustentável.

21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, realizada em Paris, em dezembro do ano passado, aprovou um acordo para a redução das emissões de gases de efeito estufa. Esse acordo foi aprovado pelo Congresso Nacional eratificado pelo presidente da República. O instrumento de ratificação do País foi depositado no dia 21/09, na sede das Nações Unidas, pelo presidente e o ministro Sarney Filho, junto ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon.

A NDC (Contribuição Nacionalmente Determinada) brasileira, estabelecida no âmbito do Acordo de Paris, apresenta a meta de reduzir as emissões do Brasil em 37%, em 2025, e em 43%, até 2030, abaixo dos níveis de 2005.

Para atingir as metas, o Brasil prevê alcançar, no setor energético, uma participação estimada de 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030. Isso inclui expandir o uso de fontes renováveis, além da energia hídrica, na matriz total de energia, para uma participação de 28% a 33%, até 2030; e expandir o uso doméstico de fontes de energia não fóssil, aumentando a parcela de energias renováveis (além da energia hídrica) no fornecimento de energia elétrica para ao menos 23%, até 2030, inclusive pelo aumento da participação de eólica, biomassa e solar.

Veja Também
Tarifa de energia deve ficar no patamar 2, se escassez de chuva continuar
Governo divulga valor da Uferms para os meses de novembro e dezembro
BC lança campanha para uso consciente do cartão de crédito
Deputados pedirão liminar para JBS retomar abates
Um terço das lavouras estão semeadas
Grupo quer instalar fábrica de carros elétricos na Capital
Atividade econômica tem queda de 0,38% em agosto, após dois meses de crescimento
JBS paralisa compra e abate de bovinos no Estado
Refis: obrigações acessórias de ICMS podem ser parceladas
Caixa e BB antecipam em dois dias pagamento do PIS/Pasep a correntistas
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento