Menu
16 de julho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Nacional

Ministério estuda medidas para aumentar rentabilidade do FGTS

Projeto ainda está em fase inicial

10 Mai2019Agência Brasil19h19

A Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia confirmou hoje (10) à tarde que promove estudos para melhorar a gestão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e aumentar a rentabilidade para o trabalhador. Segundo a pasta, no entanto, as discussões estão em fase inicial e serão acompanhadas pela sociedade e pelo Congresso Nacional com total transparência.

“A Secretaria Especial de Fazenda informa que estão sendo realizados estudos para aprimoramento da gestão do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, com o objetivo de melhorar a sua rentabilidade para o trabalhador. Esse projeto ainda está em fase inicial e todo o processo será conduzido com total transparência e em diálogo com o Congresso Nacional e demais agentes econômicos envolvidos, respeitando os contratos firmados e a função social do fundo”, informou o órgão.

Atualmente, o FGTS rende o equivalente à taxa referencial (TR) mais 3% ao ano. Desde 2018, o fundo também distribui metade do lucro líquido do ano anterior a todos os trabalhadores. Apesar da distribuição do lucro, o rendimento é inferior à inflação. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) registrou inflação acumulada de 4,94% nos 12 últimos meses terminados em abril.

Hoje, em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse que o rendimento do FGTS equivale a um imposto cobrado do trabalhador, por ser inferior à inflação. Ele também falou que o governo estuda forma de flexibilizar o saque do fundo, mas que isso exigiria mudanças na lei e diálogo com o Congresso.

Atualmente, o FGTS tem um patrimônio de R$ 525 bilhões. Em 2016, o governo do ex-presidente Michel Temer liberou o saque em contas inativas (que não recebem mais depósitos do FGTS) para cerca de 26 milhões de trabalhadores. Na época, a medida injetou R$ 44 bilhões na economia.

Formado por 8% do salário bruto do trabalhador depositados mês a mês pelo empregador, o FGTS só pode ser sacado nas seguintes situações: aposentadoria, compra da casa própria e demissão sem justa causa. Em caso de algumas doenças graves, como câncer, o dinheiro também pode ser sacado pelo empregado.

Veja Também

Contribuinte pode parcelar dívidas do IPVA em até 10 vezes
Inadimplência do consumidor cresce 0,9% no primeiro semestre de 2019
Receita paga hoje restituições do 2º lote do Imposto de Renda
Brasil Pequenos negócios têm até segunda para retornar ao Simples Nacional Comitê Gestor do Simples Nacional editou, no último dia 3, resolução que permite a volta ao Simples
Produção de motocicletas aumenta 8,4% no primeiro semestre
Inflação oficial é de 0,01% em junho, diz IBGE
Sexta parcela do IPTU vence nesta quarta com 5% de desconto
Famílias endividadas aumenta pelo sexto mês consecutivo
Com adesivo gigante, Fiems manifesta apoio às reformas
Mapa e Ciência e Tecnologia fazem parceria