Campo Grande •21 de Fevereiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Banner Governo do Estado - Campanha Dengue

Da Agência Brasil | Segunda, 26 de Setembro de 2016 - 08h58Mercado reduz de 7,34% para 7,25% projeção de inflação para este anoNúmeros saem no Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras

Pesquisa do Banco Central constatou que mercado reduziu para 7,25% projeção de inflação para este ano
Pesquisa do Banco Central constatou que mercado reduziu para 7,25% projeção de inflação para este ano (Foto: EBC)

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram a projeção de inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), neste ano, de 7,34% para 7,25%. Essa foi a segunda redução seguida, na pesquisa feita pelo BC junto ao mercado financeiro todas as semanas. Para 2017, a projeção também caiu: de 5,12% para 5%. Os números saem no Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras.

As estimativas estão acima da meta de inflação de 4,5% neste ano e em 2017. O cálculo para este ano ultrapassa também o teto da meta que tem que ser perseguida pelo BC que é 6,5%. Para o próximo ano, o teto da meta é 6%.

Controle inflacionário

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

Desde julho de 2015, os juros básicos estão em 14,25% ao ano, no maior nível desde outubro de 2006. As instituições financeiras mantiveram a projeção para a Selic em 13,75%, ao final deste ano, e em 11%, no fim de 2017.

A projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, este ano, passou de 3,15% para 3,14%, este ano. Para 2017, a expectativa de crescimento foi ajustada de 1,36% para 1,30%.

Veja Também
Terça, 21 de Fevereiro de 2017 - 12h36Cenoura ficou mais cara, mas continua com preços atrativos na maior parte do país Apesar do aumento, a cenoura continua com preço atrativo em todo o país
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017 - 12h18Dívida Pública Federal cai 1,9% para R$ 3,05 trilhões em janeiro Variação pode ocorrer também pela assinatura de contratos de empréstimo
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017 - 10h53Setor de serviços de MS registra queda de 10% em dezembro Número é bem maior do registrado em âmbito nacional, que também foi negativo
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017 - 09h41Começa a valer hoje novo limite para compra de imóveis com o FGTS Financiamentos do SFH cobram juros menores que os demais financiamentos do mercado
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017 - 07h25Exportações tem aumento de 7% Primeiro mês do ano tem aumento de vendas para o exterior
Temer cobrará do Banco do Brasil aumento da oferta de crédito
Quinta, 16 de Fevereiro de 2017 - 11h25ANP: vendas de combustíveis caem 4,5%, mas as de gás sobem 1,1% Dados foram divulgados hoje, no Rio de Janeiro, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis
Nascidos em março e abril recebem benefício do PIS nesta quinta
Quinta, 16 de Fevereiro de 2017 - 08h10Atividade econômica registra queda de 4,34% em 2016 No último trimestre do ano, comparado ao mesmo período de 2015, houve retração de 3,13%
Bolívia quer vender excedente de gás para outros mercados no Brasil
Square Banner noticias - MS Gás
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento