Campo Grande •24 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner governo do estado - IPVA

Da Agência Brasil | Segunda, 26 de Setembro de 2016 - 08h58Mercado reduz de 7,34% para 7,25% projeção de inflação para este anoNúmeros saem no Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras

Pesquisa do Banco Central constatou que mercado reduziu para 7,25% projeção de inflação para este ano
Pesquisa do Banco Central constatou que mercado reduziu para 7,25% projeção de inflação para este ano (Foto: EBC)

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram a projeção de inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), neste ano, de 7,34% para 7,25%. Essa foi a segunda redução seguida, na pesquisa feita pelo BC junto ao mercado financeiro todas as semanas. Para 2017, a projeção também caiu: de 5,12% para 5%. Os números saem no Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras.

As estimativas estão acima da meta de inflação de 4,5% neste ano e em 2017. O cálculo para este ano ultrapassa também o teto da meta que tem que ser perseguida pelo BC que é 6,5%. Para o próximo ano, o teto da meta é 6%.

Controle inflacionário

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

Desde julho de 2015, os juros básicos estão em 14,25% ao ano, no maior nível desde outubro de 2006. As instituições financeiras mantiveram a projeção para a Selic em 13,75%, ao final deste ano, e em 11%, no fim de 2017.

A projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, este ano, passou de 3,15% para 3,14%, este ano. Para 2017, a expectativa de crescimento foi ajustada de 1,36% para 1,30%.

Veja Também
Lojistas abrem guerra contra Feiras de Varejo
MS registra aumento na produção de carne
Relacão comercial com o Paraguai
Porta de saída para soja do MS
Energia pré-paga será debatida em reunião do Concen
Consumidor acredita que inflação será de 5,4% nos próximos 12 meses
Trabalhadores nascidos em março e abril podem sacar abono salarial
Pagamento do PIS para trabalhadores nascidos em março e abril começa nesta quarta
PIB brasileiro cresceu 1% em 2017, diz FGV
Governo apenas adia problema
Square notícias UCI 2018
Vídeos
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento