Campo Grande •26 de Julho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner - Rota das estações

Da Agência Brasil | Segunda, 26 de Setembro de 2016 - 08h58Mercado reduz de 7,34% para 7,25% projeção de inflação para este anoNúmeros saem no Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras

Pesquisa do Banco Central constatou que mercado reduziu para 7,25% projeção de inflação para este ano
Pesquisa do Banco Central constatou que mercado reduziu para 7,25% projeção de inflação para este ano (Foto: EBC)

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram a projeção de inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), neste ano, de 7,34% para 7,25%. Essa foi a segunda redução seguida, na pesquisa feita pelo BC junto ao mercado financeiro todas as semanas. Para 2017, a projeção também caiu: de 5,12% para 5%. Os números saem no Boletim Focus, divulgado às segundas-feiras.

As estimativas estão acima da meta de inflação de 4,5% neste ano e em 2017. O cálculo para este ano ultrapassa também o teto da meta que tem que ser perseguida pelo BC que é 6,5%. Para o próximo ano, o teto da meta é 6%.

Controle inflacionário

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

Desde julho de 2015, os juros básicos estão em 14,25% ao ano, no maior nível desde outubro de 2006. As instituições financeiras mantiveram a projeção para a Selic em 13,75%, ao final deste ano, e em 11%, no fim de 2017.

A projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, este ano, passou de 3,15% para 3,14%, este ano. Para 2017, a expectativa de crescimento foi ajustada de 1,36% para 1,30%.

Veja Também
Fundador do ReclameAQUI ministra palestra no projeto ‘Café com Negócios’
Veja dicas para montar uma pizzaria bem-sucedida
Governo recorrerá de decisão contra aumento de impostos
Consumidores de energia de MS serão ouvidos sobre qualidade do serviço
Terça, 25 de Julho de 2017 - 12h02Procura por passagem aérea doméstica cresce 1,96% em junho Oferta de voos pelas companhias aéreas, no entanto, recuou 0,68% na mesma base de comparação
BNDES lança editais para desestatizar MS Gás
Desempenho Industrial do Estado volta crescer
Copom inicia hoje reunião para definir taxa de juros; Selic pode cair para 9,25%
Terça, 25 de Julho de 2017 - 08h10Procon convoca Sinpetro para obter dados e orientar consumidores sobre preços dos combustíveis Reunião foi convocada pelo Procon Estadual para obter dados a fim de orientar consumidores quanto aos aumentos nos preços de...
Programa de saques de contas inativas do FGTS entra na última semana
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento