Campo Grande •27 de Abril de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Quarta, 4 de Janeiro de 2017 - 11h58Campo Grande está entre as menores do paísEm 2016 variação de preços só foi maior que outras três capitais brasileiras

Com 5,04% Campo Grande teve uma das menores índices inflacionários de todo o país sendo superada apenas por Recife (4,23%), Curitiba (4,61%) e São Paulo (4,96%). Em 2016, o valor acumulado da cesta básica aumentou nas 27 capitais do país, onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realizou mensalmente, durante todo o ano, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. As maiores altas foram registradas em Rio Branco (23,63%), Maceió (20,69%) e Belém (16,70%).

Entre novembro e dezembro, o valor da cesta diminuiu em 25 cidades. As quedas mais expressivas foram registradas em Aracaju (-5,11%), Campo Grande (-4,16%) e São Luís (-4,13%). As altas foram anotadas em Manaus (0,22%) e Rio Branco (0,97%). O maior custo do conjunto de bens alimentícios básicos foi apurado em Porto Alegre (R$ 459,02), seguido de Florianópolis (R$ 453,80), Rio de Janeiro (443,75) e São Paulo (R$ 438,89). Os menores valores médios foram observados em Recife (R$ 347,96), Aracaju (R$ 349,68) e Natal (R$ 351,96).

Com base na cesta mais cara, que, em dezembro, foi a de Porto Alegre, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em dezembro de 2016, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.856,23, ou 4,38 vezes o mínimo de R$ 880,00. Em novembro, o mínimo necessário correspondeu a R$ 3.940,41, ou 4,48 vezes o piso vigente.

Em dezembro de 2016, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 98 horas e 59 minutos. Em novembro, a jornada necessária foi calculada em 100 horas e 56 minutos. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em dezembro, 48,90% do salário para adquirir os mesmos produtos que, em novembro, demandavam 49,87%.

Veja Também
Quarta, 26 de Abril de 2017 - 10h33Arrecadação federal cai 1,16% em março, informa Receita Valor chegou a R$ 328,744 bilhões, com crescimento de 0,08% no total
Quarta, 26 de Abril de 2017 - 08h30IBGE: 1,5 milhão de pessoas devem para seus empregadores Índice é de 2,5% entre os contratados de forma direta
Quarta, 26 de Abril de 2017 - 07h55Custo da construção tem queda de -0,08% Índice apresenta uma redução conforme a Fundação Getúlio Vargas
Decreto muda tributação do gás, mas preço e câmbio atrapalham
Governo estadual deposita salários na sexta-feira
Terça, 25 de Abril de 2017 - 12h34A 3 dias do prazo, confira documentos necessários para declarar Imposto de Renda Receita alerta que os contribuintes que perderem o prazo estarão sujeitos ao pagamento de multa
Brasileiros estimam inflação de 7,5% nos próximos 12 meses, diz FGV
Segunda, 24 de Abril de 2017 - 10h49Mercado financeiro espera que inflação feche o ano em 4,04% Estimativa da semana passada era 4,06%
Índice de Confiança da Indústria fica estável entre março e abril
Segunda, 24 de Abril de 2017 - 09h03Mercado financeiro espera que inflação feche o ano em 4,04% Sétima redução seguida na projeção, de acordo com pesquisa semanal
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento