Campo Grande •29 de Maio de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Quarta, 4 de Janeiro de 2017 - 11h58Campo Grande está entre as menores do paísEm 2016 variação de preços só foi maior que outras três capitais brasileiras

Com 5,04% Campo Grande teve uma das menores índices inflacionários de todo o país sendo superada apenas por Recife (4,23%), Curitiba (4,61%) e São Paulo (4,96%). Em 2016, o valor acumulado da cesta básica aumentou nas 27 capitais do país, onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realizou mensalmente, durante todo o ano, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. As maiores altas foram registradas em Rio Branco (23,63%), Maceió (20,69%) e Belém (16,70%).

Entre novembro e dezembro, o valor da cesta diminuiu em 25 cidades. As quedas mais expressivas foram registradas em Aracaju (-5,11%), Campo Grande (-4,16%) e São Luís (-4,13%). As altas foram anotadas em Manaus (0,22%) e Rio Branco (0,97%). O maior custo do conjunto de bens alimentícios básicos foi apurado em Porto Alegre (R$ 459,02), seguido de Florianópolis (R$ 453,80), Rio de Janeiro (443,75) e São Paulo (R$ 438,89). Os menores valores médios foram observados em Recife (R$ 347,96), Aracaju (R$ 349,68) e Natal (R$ 351,96).

Com base na cesta mais cara, que, em dezembro, foi a de Porto Alegre, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em dezembro de 2016, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.856,23, ou 4,38 vezes o mínimo de R$ 880,00. Em novembro, o mínimo necessário correspondeu a R$ 3.940,41, ou 4,48 vezes o piso vigente.

Em dezembro de 2016, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 98 horas e 59 minutos. Em novembro, a jornada necessária foi calculada em 100 horas e 56 minutos. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em dezembro, 48,90% do salário para adquirir os mesmos produtos que, em novembro, demandavam 49,87%.

Veja Também
Mutirão conciliatório entre consumidores e Energisa começa no dia 31
Tarifas da Sanesul terão reajuste de 4,08%
Missão Food Brasil
Caiu o consumo de carne
Contas de luz de junho terão bandeira verde, sem acréscimo na tarifa
Troca de experiências e negócios em cafeteria
Feira de imóveis é oportunidade de comprar casa própria a partir de R$ 100 mil
CDL-CG e Sebrae realizam Missão Food Brasil
Quinta, 25 de Maio de 2017 - 13h07Taxa de juros do rotativo do cartão de crédito cai para 422,5% ao ano Queda em relação a março, foi de 67,8 pontos percentuais
Quinta, 25 de Maio de 2017 - 10h30Confiança do Comércio recua em maio depois de cinco altas consecutivas Resultado ocorre após cinco altas consecutivas, período em que indicador acumulou crescimento de 11,1 pontos
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento