Menu
22 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Nacional

Inflação baixa esconde preços altos de energia, gás e combustível

Índice foi menor devido à queda dos alimentos em 2017

10 Jan2018Portal R717h29

A inflação de 2,95% em 2017  a segunda menor do Plano Real  pode passar a impressão de que o Brasil não é o mesmo país de preços altos dos últimos anos. Mas na visão de economistas, a realidade é outra.

Inicialmente, vale destacar que a inflação acumulada entre 2014 e 2017 é de 28,8%. Isso significa dizer que, na média, os preços aumentaram nesse patamar. Mas, há itens, como gasolina, energia e gás, que subiram acima da inflação.

O ex-presidente do Conselho Federal de Economia (Cofecon) Paulo Dantas da Costa ressalta que os aumentos dos chamados preços administrados, energia elétrica (10,35%), água e esgoto (10,52%), botijão de gás (16%), gasolina (10,32%) e diesel (8,35%) demonstram que nem tudo foi positivo no resultado da inflação. Ele soma a isso a queda da capacidade de compra das famílias nos últimos anos.

Uma boa parte sofrendo a amargura do desemprego, a renda média caiu em boa parte desse período [de crise]. Isso tudo repercute na demanda. Se a sociedade tem recursos reduzidos, consequentemente, você tem demanda menor e o preço cai também.

O grupo "alimentação e bebidas" teve inflação negativa de 1,87%. Por outro lado, os gastos com "habitação" subiram 6,26%.

Já o economista André Braz, do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro e Economia da Fundação Getulio Vargas), destaca a queda do preço dos alimentos, mas também questiona os aumentos de outros produtos e serviços.

O IPCA [Índice de Preços ao Consumidor Amplo] veio com uma taxa negativa na alimentação, que é o item de maior peso nas famílias de baixa renda. Agora, quando a gente analisa todos os grupos, vamos que muitos grupos importantes tiveram acumulado acima da meta [4,5%], como saúde, transportes, educação... boa parte registrou [alta] acima disso. Seria interessante ver essa desaceleração [de preços] em todos os grupos.

Braz observa que a Safra agrícola de 2017 foi melhor do que se esperava o que contribuiu para a queda do preço dos alimentos. Mas diz que neste ano há pouco espaço para mais redução.

Tem algo escondido por trás dessa queda, porque em 2015 e 2016 o preço dos alimentos subiu muito por causa da crise hídrica. O feijão subiu 50%. Naquela época alimentação subiu 10% quase. 2017 foi um ano de devolução. O agricultor, de olho nos preços altos de 2015 e 2016, plantou mais e foi brindado com um tempo bom. Mas dificilmente isso vai se repetir em 2018.

Veja Também

Governo pode adiar reajuste dos servidores, diz ministro da Fazenda
Brasil terá perda de 30% nas exportações de frango para a Europa
MS tem dois frigoríficos embargados pela Europa
Petrobras aumenta preços de combustíveis nas refinarias
MS teve recorde de exportação
Banco Central estuda criar sistema de pagamento instantâneo
Economia Confiança do empresário recua pela primeira vez após oito meses No cálculo do índice, valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança do empresário
Contribuinte pode obter ajuda para declarar IR no Pátio Central
Projeto garante isenção de IR para indústrias de MS
Áreas de livre comércio em Ponta Porã e Corumbá