Menu
24 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Habitação

Feirão da Casa Própria é prorrogado em Campo Grande

Para especialista, comprador de imóvel deve conhecer as diferentes formas de financiamento antes de assinar o contrato

29 Mai2018Da redação15h54

Em virtude da greve dos caminhoneiros, os organizadores da 15ª Feira de Imóveis e Oportunidades decidiram estender o evento até a sexta-feira, dia 1º/06. No Feirão, os interessados poderão encontrar representantes da Caixa Econômica Federal, além de diversas construtoras e imobiliárias oferecendo imóveis novos e usados. Para os especialistas, a vantagem de encontrar, num mesmo espaço, os fornecedores de diversos serviços é o consumidor poder comparar as ofertas e fechar o negócio de forma mais rápida.

Contudo, antes de assinar o contrato da casa ou do apartamento dos sonhos, é preciso conhecer as diferenças entre as duas principais formas de financiamento imobiliário no Brasil. A Tabela Price e o sistema SAC são as alternativas mais comuns para calcular como a dívida contraída na compra de um imóvel será quitada no período contratado com o banco.

De forma simples, enquanto na Tabela Price, o pagamento dos juros ocorre nos primeiros ¾ do prazo total do financiamento – e só depois se inicia a amortização do saldo devedor –, no SAC o saldo devedor já começa a ser quitado desde a primeira prestação. Com esse valor diminuindo, as prestações também caem, dando a falsa impressão de que o uso do sistema SAC é sempre a melhor opção para o comprador.

A advogada Daniele Akamine, especialista em Economia da Construção e sócia diretora da Akamines Negócios Imobiliários, explica que é um erro julgar a Tabela Price como um cálculo lesivo para o financiamento de um imóvel. “Muitos dizem que este sistema prejudica o mutuário, em virtude de direcionar menos recursos para amortização, mas a verdade é que o critério de cálculo dos juros é idêntico tanto para o SAC e a Tabela Price.”

Isso porque, alerta Daniele, a cobrança dos juros incide sempre sobre o capital, e não sobre os outros juros, pois nada é incorporado ao saldo devedor. “Para os dois sistemas, a dívida será decrescente, em função dos juros cobrados sobre uma quota que é mensalmente amortizada”, diz. A única diferença entre as duas formas de financiamento se restringe ao cálculo da prestação. “Tanto é verdade que a Lei 11.977/2009 autoriza expressamente o uso da Tabela Price como sistema de amortização”, acrescenta.

Para ela, essa desinformação do mercado gera uma instabilidade que eleva o risco do crédito e, consequentemente, o preço dos imóveis. O consumidor deve estar consciente disso e, na dúvida, procurar um especialista que irá orientá-lo sobre a melhor oferta de crédito e qual instituição está preparada para oferece-la”, conclui.

Daniele Akamine tem bacharelado em Direito, Pós-Graduada em Direito Civil, Direito Penal e Processo Penal, MBA em Economia da Construção e Financiamento Imobiliário, técnica em Contabilidade e sócia diretora da Akamines Negócios Imobiliários.

15ª Feira de Imóveis e Oportunidades

Data: 25 de maio a 01 de junho de 2018

Local: Norte Sul Plaza -  avenida Presidente Ernesto Geisel, 2300 – Jd. Jóquei Club

Horário: 10h às 22h

Entrada franca

 

Veja Também

Ministro de Bolsonaro encerra encontro
Sicredi disponibiliza financiamento de veículo em aplicativo
Governador abre Reunião por Bioceânica
Aneel reduz tarifa de energia em cinco cidades de MS
Vice-presidente da Fecomércio assume vaga na Câmara Brasileira de Serviços
Em MS, apenas 36% dos donos de negócios contribuem para previdência
Economia opera abaixo da capacidade em todo o Brasil,
MS tem a 4ª menor taxa de desocupação
Câmara discute incentivos para comerciantes
Caixa paga R$ 18 milhões em abono salarial