Menu
16 de dezembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Mega Banner Pátio Central - Natal
Nacional

Elevação da nota de risco do Brasil é questão de tempo, diz Meirelles

Ministro manifestou confiança na aprovação da reforma da Previdência e das medidas de ajuste fiscal nos próximos meses

14 Jan2018Agência Brasil09h11

A elevação da nota de risco do Brasil é uma questão de tempo, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em entrevista coletiva para comentar o rebaixamento da classificação da dívida pública brasileira pela agência Standard & Poor’s (S&P), Meirelles manifestou confiança na aprovação da reforma da Previdência e das medidas de ajuste fiscal nos próximos meses.

“O Congresso tem mostrado que tem aprovado as reformas fundamentais no país. Aprovou o teto de gastos, a reforma trabalhaista, a Lei das Estatais e a TLP [Taxa de Longo Prazo]. Outras medidas, como o cadastro positivo e a duplicata eletrônica estão em aprovação. Existe um histórico de aprovação. Essas reformas vão continuar ocorrendo, e a perspectiva de aumento do rating é questão de tempo. Isso foi levado em conta na melhora da perspectiva [da nota do Brasil pela S&P] de negativa para estável”, destacou o ministro.

Meirelles comentou que, no dia seguinte à redução da nota do Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento, o mercado financeiro está tendo uma reação calma. Segundo o ministro, isso ocorre porque o país continua crescendo com baixa inflação e porque o rebaixamento já estava “precificado”, incorporado aos indicadores financeiros.

“Um ponto importante, que parece ser digno de ênfase neste momento, é a reação da economia no curto prazo, dos indicadores de mercado que reagem na mudança do rating no Brasil. Hoje, o dólar caiu um pouquinho, os juros de longo prazo caíram um pouquinho, e a bolsa continua estável”, acrescentou.

De acordo com Meirelles, a economia brasileira está num momento positivo, com previsão de crescer até 3% este ano e criar 2 milhões de empregos, depois de incorporar pelo menos 1 milhão de pessoas ao mercado de trabalho em 2017. Para ele, as previsões da S&P são conservadoras, comportamento que considerou normal nas agências de classificação de risco.

“Vamos continuar trabalhando e seguindo na direção que está dando certo. O país está crescendo. Nossa previsão de crescimento para 2018 é 3%. A agência [S&P] vai de forma mais conservadora, o que é normal. Isso [o conservadorismo das agências] também aconteceu no ano passado. O país em pleno processo de recuperação sólida. Foram criados mais de 1 milhão de empregos no ano passado, e esperamos a criação de 2 milhões de empregos este ano”, concluiu Meirelles.

Veja Também

MS fecha 2018 com 100% dos recursos do FCO contratados
Presidente da Fiems lança selo festivo pelos 40 anos do Sistema Indústria
Fazenda defende venda direta de etanol do produtor para os postos
Contribuinte tem até sexta para pagar ICMS com desconto de até 90%
Governador e embaixador do Chile discutem estratégias para Corredor Bioceânico
Frigorífico multado por poluir córrego
Governo lança tecnologia para produzir 1º carro híbrido flex do mundo
Contribuinte tem mais 10 dias para aproveitar Refis da prefeitura
Economia Campo Grande tem a menor inflação dos últimos 18 anos Habitação, Transportes e Despesas pessoais foram os vilões
Petrobras reduz em 1,50% preço de gasolina nas refinarias