Menu
17 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Terrorismo

Preço do petróleo pode disparar

Ataques reduzem pela metade produção de petróleo na Arábia Saudita

15 Set2019Da redação13h49

O ministro da Energia da Arábia Saudita confirmou que os ataques por drones no sábado (14) contra instalações petroleiras atingiram cerca de metade da produção do país. Em uma declaração emitida pela agência de notícias estatal, o príncipe e ministro Abdulaziz bin Salman revelou que os ataques reduziram a produção diária em cerca de 5,7 milhões de barris. A quantidade corresponde a cerca de 5% da oferta global.

O ministro condenou os ataques afirmando que eles tiveram como alvo a oferta e segurança global de petróleo, não apenas a Arábia Saudita. Representantes sauditas afirmam que vão adotar medidas para compensar qualquer risco de interrupção no mercado global de petróleo. Acrescentaram que vão consertar as instalações rapidamente e usar reservas de petróleo bruto para substituir as perdas.

Os ataques por drones antes do amanhecer de sábado resultaram em explosões e incêndios em instalações da petroleira Saudi Aramco em Abqaiq e Khurais. Oficiais sauditas afirmam que o fogo já está sob controle, mas que o processamento foi paralisado. Abqaiq hospeda a maior unidade de processamento de petróleo do mundo.

Insurgentes Houthis no Iêmen apoiados pelo Irã afirmaram em uma declaração terem realizado os ataques. Mas o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, culpou Teerã e tuitou que "não há evidência de que os ataques tenham vindo do Iêmen".

 

Veja Também

Atividade como empresário é única fonte de renda para maioria dos pequenos negócios em MS
Financiamentos pelo FCO passam de R$ 1,2 bilhão
R$ 43,7 milhões do IR no MS
Receita Federal paga 5º lote de restituição nesta terça-feira
Convênio entre Estado e comércio prevê descontos para servidores
Cooperativas de crédito em expansão
Cresce confiança do empresário do comércio
Sicredi no MS tem duas cooperativas entre as melhores em gestão no país
Comissão mantém permissão de aumento das tarifas de energia energia
Setor de serviços recua 0,2% de julho para agosto