Menu
24 de abril de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Preços dos combustíveis

Ministra defende “mais previsibilidade”

Tereza Cristina reconhece que Petrobras é independente mas afirma que a série de reajustes “é ruim para o produtor”

17 Abr2019Laureano Secundo08h04

A ministra Tereza Cristina defendeu  maior previsibilidade para os aumentos de preços de combustíveis, especialmente os do óleo diesel. Ela fez a ressalva de que a Petrobras é uma empresa independente e sobe (ou diminui) os preços de acordo com o mercado internacional, mas afirmou: “Que isso é ruim para o produtor é”. Para a ministra, o melhor seria que o país estivesse com a casa arrumada e que a Petrobras pudesse dar mais previsibilidade aos aumentos de preços, e também à diminuição deles, mas lembrou que o mundo hoje é globalizado e que todos têm de entender isso.

“Agora o produtor rural anda penalizado com os aumentos de custos na produção, tem sobrado pouco (dinheiro). Está na hora da reflexão. A gente tem de sentar e encontrar um caminho. A vida tem altos e baixos e hoje nós estamos em um momento de transição na agropecuária brasileira”, afirmou Tereza Cristina.

Tereza Cristina voltou a dizer que o tabelamento do frete “não ajuda ninguém” e defendeu uma solução para o problema através de dois caminhos: ou a nova tabela que está sendo preparada por especialistas da USP ou uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a constitucionalidade do tabelamento determinado pelo governo Michel Temer após a greve dos caminhoneiros do ano passado, que paralisou o país.

A ministra também defendeu que o Plano Safra passe a ser plurianual, ou seja, seja feito de cinco em cinco anos e não anualmente, como é hoje. “Todo ano é esse sofrimento, taxa de juros, crédito... Estamos trabalhando com o Ministério da Economia e o Banco Central, fazendo uma grande conversa para que no futuro a gente possa ter coisas melhores”, afirmou. Segundo ela, para o Plano Safra 2019/2020 “as coisas não vão mudar muito” em relação à safra atual, quando o crédito chegou a R$ 210 bilhões, sendo R$ 30 bilhões para o Pronaf (Programa Nacional de Agricultura Familiar). “Pode não melhorar como nós queríamos, mas piorar não vai”, disse a ministra.

 

Veja Também

Em MS, 350 profissionais deverão explicar despesas altas
PepsiCo diz que seguiu trâmites legais em demissões da Mabel
Servidores da UFMS recebem “aulas” de educação financeira
MPT investiga demissão em massa de fábrica de biscoitos Mabel e Elbi’s
Conta de energia vira boleto bancário a partir desta terça em MS
Descontos no comércio para servidores públicos
Primeiro carro híbrido flex do mundo é lançado no Brasil
Nova promoção do Sicredi incentiva a poupar
Sicredi inaugura 16ª agência em Campo Grande
Lojas fecham e mercados abrem no feriado na Capital