Campo Grande •24 de Julho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner SEGOV - Campanha Obras

Da redação | Sexta, 7 de Julho de 2017 - 09h22Junho fecha com deflação em Campo GrandeTransportes e Alimentação foram os principais grupos com quedas acentuadas

Queda da inflação pode estar ligada a redução do consumo
Queda da inflação pode estar ligada a redução do consumo (Foto: Arquivo Diário Digital)

Em junho, o Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) registrou deflação e ficou em -0,15%, segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp. No comparativo da série histórica dos meses de junho, é a menor taxa desde 2011, quando atingiu - 0,19%. Em maio, a inflação ficou em 0,10%.

De acordo com o coordenador do Nepes, Celso Correia de Souza, os principais responsáveis pelo resultado do índice foram os grupos Transportes e Alimentação, que encerram o mês com quedas acentuadas nos preços dos combustíveis e dos alimentos, respectivamente. Apenas os grupos Despesas Pessoais e Vestuário registraram elevação em suas taxas em junho. “Nos próximos meses, esperamos que a inflação continue em patamares bem baixos, propiciando decréscimo dos juros e a retomada do crescimento econômico pelo país”, analisa o pesquisador.

Acumulado

A inflação acumulada nos últimos 12 meses, na capital de Mato Grosso do Sul, é de 3,19%, índice abaixo do centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 4,5%. No período, o maior índice em relação aos grupos é do Vestuário, com 14,13%. Segundo o especialista, “está havendo uma recomposição de preços em relação ao ano passado”.

No acumulado de 2017, ou seja, em seis meses, a inflação registrada foi de 1,29%, taxa ainda baixa quando comparada com anos anteriores. A maior inflação no período foi com Vestuário: 8,14%.

Segmentos

O grupo Habitação, que possui o maior peso de contribuição para o cálculo do índice, apresentou redução de -0,04%. Os principais produtos com elevação de valor foram: amaciante de roupas (3,13%), fósforos (3,09%), vela (1,33%), entre outros. Quedas de preços ocorreram com: carvão (-3,22%), lâmpada (-2,99%), desinfetante (-2,80%), entre outros.

Seguindo o comportamento de maio, o grupo Alimentação apresentou queda e fechou maio com índice -0,42%. As maiores altas de preços ocorreram com: chuchu (34,61%), abobrinha (26,94%), batata (22,52%), entre outros com menores aumentos. Fortes quedas de preços ocorreram com os seguintes produtos: laranja pera (-22,81%), cenoura (-13,49%), cebola (-12,69%), entre outros.

O coordenador do Nepes esclarece que este grupo é o melhor termômetro para o comportamento da inflação ao longo do ano, pois tem a segunda ponderação na formação do índice inflacionário. “Com a melhora do clima no país, vários dos produtos de alimentação têm diminuído de preços, principalmente, os hortifrútis. Se a tendência continuar, certamente a inflação ficará em torno, ou mesmo, abaixo da meta do CMN para o ano de 2017, de 4,5%”, expõe Celso Correia.

Queda de preços também foi constata com a carne vermelha, já que todos os 15 pesquisados pelo Nepes da Uniderp apresentaram reduções. São eles: coxão mole (-10,81%); patinho (-9,33%); acém (-6,04%); contrafilé (-5,36%); lagarto (-4,90%); costela (-4,64%); alcatra (-4,22%); peito (-3,49%); paleta (-3,36%); músculo (-2,78); picanha (-2,59%); vísceras de boi (-2,34%); filé mignon (-1,54%); cupim (-1,28%); e fígado (-0,84%).

“O cenário de quedas expressivas foi motivado pelo baixo consumo de carne em nossa cidade e às dificuldades em exportar o produto devido a problemas sanitários, problemas com frigoríficos de maiores portes do MS que não vêm abatendo regularmente e o início da entressafra que se aproxima, e que promete um clima com riscos de geadas e secas mais intensas, com redução de pastagem. Isso tudo fez com que a oferta de bois aos frigoríficos aumentasse e, consequentemente, o valor da arroba do boi gordo baixasse antes da porteira (para o pecuarista), com reflexos de baixa do produto no varejo,” explica o professor Celso.

Quanto aos cortes de carne suína, a costeleta aumentou 1,74%. Quedas de preços acentuadas ocorreram com pernil (-5,26%) e bisteca (-4,23%). Já, miúdos de frango tiveram elevação de 1,80% e o frango congelado redução de -0,91%.

Além da alimentação, o grupo Transporte apresentou queda de -1,05%, reflexo de reduções do etanol (-2,91%), gasolina (-2,82%) e diesel (-0,56%). O grupo Educação seguiu a mesma tendência, com índice negativo de -0,12%, devido a pequenas reduções nos preços de produtos de papelaria.

O grupo Despesas Pessoais fechou com elevação de 0,89%. Alguns produtos deste grupo que tiveram aumentos de preços foram: hidratante (4,66%), xampu (3,18%), absorvente higiênico (1,59%), entre outros. Quedas de preços ocorreram com: produto para limpeza de pele (-1,46%), creme dental (-0,41%) e fio dental (-0,37%).

O grupo Saúde fechou com redução de -0,05%. Os principais aumentos de preços foram constatados com: material para curativo (3,80%) e analgésico de antitérmico (0,09%). Tiveram quedas os produtos antimicótico e parasiticida (-1,67%) e anti-infeccioso e antibiótico (-1,01%).

Completando o estudo, o Vestuário encerrou o mês com índice de 0,40%, já que não houve nenhuma queda de preços em produtos desse grupo. Peças como calça comprida masculina (2,56%), sapato masculino (0,82%) e camisa masculina (0,21%) foram os destaques em elevação de valores.

IPC/CG

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos. A Uniderp divulga mensalmente o IPC/CG via Nepes.

Veja Também
Domingo, 23 de Julho de 2017 - 11h29Aumento de tributos não terá impacto importante na inflação Consultorias acreditam que impacto não deverá afetar uma subida no índices
Entidade criticam aumento  de alíquota
Sábado, 22 de Julho de 2017 - 17h05Aumento de tributos não terá impacto importante na inflação, dizem consultorias Avaliação é de consultorias e de especialistas
Preço da gasolina já dispara nos postos de combustíveis
Contas externas têm o melhor primeiro semestre em dez anos
Temer diz que compreende reação contrária ao aumento de tributos
Decreto reforça obrigações para empresas receberem incentivos fiscais
Sexta, 21 de Julho de 2017 - 11h20Governo mantém previsão de 0,5% para o PIB Previsão do mercado é de que o crescimento fique em 0,34%. Em 2016, o PIB teve queda de 3,6%
Concorrência derruba preço da gasolina a R$ 2,97
Arrecadação esperada é de R$ 10 bilhões
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento