Campo Grande •25 de Maio de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Domingo, 8 de Janeiro de 2017 - 09h46Exportações com crescimento pífioNo ano da crise vendas para o exterior tiveram crescimento insignificante

As exportações brasileiras de produtos industrializados, com maior valor agregado, cresceram em 2016 na comparação com 2015. Esses bens, divididos em manufaturados e semimanufaturados, tiveram alta de 1,2% e 5,2% nas vendas, respectivamente, em relação ao ano anterior. Entre os produtos cujas vendas subiram estão carros, aviões, suco de laranja e açúcar. Mas, segundo especialistas consultados pela Agência Brasil, a elevação ficou aquém da expectativa.

O movimento de alta dos industrializados esteve na contramão do que ocorreu nas exportações em geral. Segundo o critério da média diária, que leva em conta o valor negociado por dia útil, o total das vendas externas brasileiras caiu 3,5% no ano passado ante 2015. A queda foi puxada pelos produtos básicos, cujas exportações recuaram 9,6% em 2016 em relação ao ano anterior.

O principal motivo foi a queda nos preços das commodities (bens primários com cotação internacional), que fez com que esse tipo de produto rendesse menos aos exportadores brasileiros. Apesar da queda nas exportações, a balança comercial brasileira registrou, em 2016, superávit recorde de US$ 47,69 bilhões. Isso porque as importações caíram ainda mais que as vendas externas. Por causa da crise e da menor demanda por bens, as compras do Brasil no exterior recuaram 20,1%.

Nesse cenário difícil, o governo considerou positivo o aumento nas vendas de industrializados. O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Abrão Neto, chamou a atenção para o fato de que a participação do grupo na pauta de exportações cresceu. Enquanto em 2015 as vendas da categoria corresponderam a 51,9% do total exportado, em 2016 ficaram em 55%. “É o terceiro ano consecutivo de alta”, afirmou.

Ele destacou também o crescimento de 38,2% nas exportações de automóveis de passageiros na comparação com 2015. “O Brasil assinou acordos automotivos que estimularam o comércio com Argentina, México e Uruguai”, disse Neto. No entanto, a visão de analistas de comércio exterior é mais pessimista.

Veja Também
Quinta, 25 de Maio de 2017 - 13h07Taxa de juros do rotativo do cartão de crédito cai para 422,5% ao ano Queda em relação a março, foi de 67,8 pontos percentuais
Quinta, 25 de Maio de 2017 - 10h30Confiança do Comércio recua em maio depois de cinco altas consecutivas Resultado ocorre após cinco altas consecutivas, período em que indicador acumulou crescimento de 11,1 pontos
Quarta, 24 de Maio de 2017 - 12h25Lucro da Caixa cresce 81,8% no primeiro trimestre deste ano Ao final de março, a Caixa possuía R$ 2,2 trilhões em ativos administrados
Conta de luz pressiona inflação, diz FGV
Comércio apresenta queda de receita
Segunda, 22 de Maio de 2017 - 11h38Fiems defende continuidade das reformas Entidade que representa o setor da indústria pede calma diante a crise para que não hajam retrocessos
Temer reúne ministros e base aliada e pede que Congresso trabalhe normalmente
Sexta, 19 de Maio de 2017 - 11h25Dólar abre em queda e bolsa de valores em alta Índice registrou alta de 1,53%, a 62.614 pontos
Acadêmicos da UCDB auxiliam microempreendedores a fazer declaração
Brasil tem 26,5 milhões de pessoas sem trabalho adequado
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento