Campo Grande •24 de Janeiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Agência Brasil | Quarta, 28 de Dezembro de 2016 - 16h40Com liberação de preços, cada lojista pode decidir se concede desconto à vistaPossibilidade é um benefício para o consumidor, avalia dirigente lojista

(Foto: Reprodução/Internet)

Com a liberação para cobrar preços diferentes de acordo com a forma de pagamento, conceder desconto quem comprar à vista vai depender de cada lojista e da necessidade financeira do seu comércio. A afirmação é do presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal, Álvaro Silveira Júnior, ao comentar a Medida Provisória (MP) 764, publicada ontem (27) no Diário Oficial da União, que autoriza a diferenciação de preços. 

Para Silveira, essa possibilidade é um benefício para o consumidor e vai dar a liberdade de poder pagar mais barato sem arcar com as taxas de cartão de crédito, que giram em torno de 5% . Segundo ele, os lojistas já estabeleciam preços que comportavam essa margem. “Quem pagava à vista não tinha nenhum benefício”, disse. “Agora vai ter dois preços: à vista e para quem pagar à prazo”.

A MP, entretanto, não obriga os lojistas a concederem o desconto e, segundo Silveira, os valores vão depender de cada lojista. Caso ele precise de fluxo de caixa, por exemplo, pode conceder mais descontos à vista; mas também há aqueles segmentos que são mais sensíveis, como farmácias e postos de combustíveis, que já têm uma margem pequena de lucro.

Apesar de proibido pela regulamentação anterior, o desconto nos pagamentos à vista ou em dinheiro em espécie já vinha sendo praticado no comércio varejista, que tem liberdade de preços, e segundo declarações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a MP publicada ontem vem somente “regular” tal prática. O objetivo da medida é estimular a competição entre os diversos meios de pagamento e reduzir os juros do cartão de crédito.

Para a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços, a MP oferece mais uma opção de pagamento ao consumidor, que definirá a melhor escolha de acordo com suas necessidades. “A Abecs acredita que o meio eletrônico de pagamento continua sendo a melhor opção, pois gera mais conveniência, praticidade e segurança para o consumidor e também para o comerciante, que elimina os custos com inadimplência e manuseio de dinheiro e cheque”, informou, em nota.

Segundo Silveira, a segurança é uma preocupação, mas os lojistas já usam meios para evitar prejuízo com assaltos, como fazer depósitos frequentes do dinheiro em caixa.

Para a Proteste, entidade de defesa do consumidor, a medida de diferenciação de preços é “abusiva”. “Ao aderir a um cartão de crédito, o consumidor já paga anuidade ou tem custos com outras tarifas e paga juros quando entra no rotativo. Por isso, não tem por que pagar mais para utilizá-lo”, informou, em nota. A associação recomenda ao consumidor que não adquira bens e serviços em empresas que adotarem a prática.

Um dos principais temores é que se torne comum embutir os custos do cartão já no preço anunciado dos produtos. Dessa maneira, ao conceder o desconto à vista, o comerciante estaria na verdade cobrando o que seria o preço normal.

A medida faz parte de um pacote de medidas microeconômicas anunciadas pelo governo na semana passada para estimular a economia, que passa por um período de forte recessão.

Veja Também
Confiança da indústria indica melhora na primeira prévia do ano, diz FGV
Segunda, 23 de Janeiro de 2017 - 10h27Maduro muda presidente do Banco Central para contornar crise Como Maduro, Ricardo Sanguino afirma que a crise é causada por uma guerra econômica de empresários de direita
Quinta, 19 de Janeiro de 2017 - 11h57Prévia da inflação oficial é a mais baixa para meses de janeiro desde 1994 É a taxa mais baixa para meses de janeiro desde 1994, quando foi criado o Plano Real
Quinta, 19 de Janeiro de 2017 - 10h27Preços ao produtor e ao consumidor pressionam inflação do aluguel, diz FGV Em igual período do mês anterior, a 2ª prévia de dezembro, a alta foi 0,41%
Financiamento de carros teve queda de 10,6%
Feira da Indústria de Calçados de MS
Relatório da ONU indica modesta recuperação da economia mundial em 2017
Segunda, 16 de Janeiro de 2017 - 09h18Mercado projeta 9,75% ao ano para Selic em 2017 Atualmente, a taxa está em 13% ao ano
Segunda, 16 de Janeiro de 2017 - 08h25Cartilha vai orientar empregadores e empregados do setor produtivo Criação da cartilha foi decidida após um pedido do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços
Comércio teve aumento de vendas em dezembro
Square Banner noticias - MS Gás
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento