Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Economia

Cereais, leguminosas e oleaginosas podem ter safra recorde

Alta projetada para julho é de 5,8%

8 Ago2019Agência Brasil17h48

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), prevê recorde de  239,7 milhões de toneladas da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas julho. A projeção representa aumento de 5,8% na comparação com julho de 2018 e de 1,6% na comparação com junho de 2019. Pela série histórica, o recorde nacional da safra foi alcançado na safra 2017, quando foram colhidas 238,4 milhões de toneladas de grãos.

Segundo os dados do levantamento, a área colhida aumentou 3,2% na comparação anual. A estimativa é de 62,9 milhões de hectares.

Os principais produtos verificados pelo IBGE são o arroz, o milho e a soja. Juntos, estes representam  92,7% da produção estimada, ocupando 87,3% da área a ser colhida.

Na evolução da área utilizada por cada cultura, o milho teve aumento de cultivar de 7,1% na comparação com o registrado em 2018. A área de colheita de soja cresceu 2,2% e a do arroz diminuiu em 10,3%, tendo como referência o resultado do ano passado.

Na estimativa da produção, houve aumento de 21,4% para o milho e queda de 4,0% para a soja e de 12,7% para o arroz.

A safra deste ano deve alcançar 113,2 milhões de toneladas de soja, 10,3 milhões de toneladas de arroz e 98,8 milhões de toneladas de milho.

Na distribuição regional, o Centro-Oeste representa 46,1% da safra brasileira de grãos. Na região, apenas o estado do Mato Grosso responde por 28,1%.

Em segundo lugar regional está a região Sul, com 32,6%. O Paraná desponta como o segundo estado com melhor estimativa - 15,4% da produção nacional.

Os destaques da estimativa do mês, na comparação com junho, foram a terceira safra de feijão (10,0%), a aveia (6,5%), a segunda safra de milho (5,1%), algodão herbáceo (0,8%) e soja (0,5%).

Já, a segunda safra de feijão (-4,8%), trigo (-4,5%), arroz (-1,7%), café arábica (-1,4%), sorgo (-0,8%) e a primeira safra do milho (-0,2%), têm previsão de redução dos resultados.

 

Veja Também

Arrecadação mostra sinais de recuperação gradual da economia
Caixa estuda criar crédito imobiliário com juros prefixados
Ministro de Bolsonaro encerra encontro
Sicredi disponibiliza financiamento de veículo em aplicativo
Governador abre Reunião por Bioceânica
Aneel reduz tarifa de energia em cinco cidades de MS
Vice-presidente da Fecomércio assume vaga na Câmara Brasileira de Serviços
Em MS, apenas 36% dos donos de negócios contribuem para previdência
Economia opera abaixo da capacidade em todo o Brasil,
MS tem a 4ª menor taxa de desocupação