Menu
25 de abril de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Super Banner SEGOV - VALE UNIVERDADE
Economia

Capital teve inflação abaixo da meta nacional em 2018

Estudo do Núcleo de Pesquisas Econômicas e Sociais aponta que índice acumulado de 2018 é de 3,70%

18 Jan2019Da redação15h33

O acumulado da inflação de 2018 em Campo Grande ficou em 3,70%, abaixo da meta inflacionária de 4,5%, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A taxa faz parte do levantamento do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp, que calcula o Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) há 16 anos. O resultado incluiu também a inflação de dezembro, 0,14%, o menor indicador para o mês desde o ano de 2007, quando foi de (-0,02%).

"Há vários motivos que ajudaram nesse resultado da inflação acumulada. A estabilização do valor do dólar frente ao real após as eleições pode ter impactado em quedas de preços de alguns produtos importados como o trigo, máquinas de alta precisão, eletroeletrônicos, gasolina e produtos natalinos em geral. Outros fatores que influenciaram foram o alto desemprego no país, os juros ainda elevados e o grande endividamento da população", explica o coordenador do Nepes/Uniderp, Celso Correia de Souza. Outro destaque que inibiu o crescimento da inflação durante o ano foram as frequentes quedas nos preços dos combustíveis, de acordo com o professor.

Em 12 meses, os grupos Habitação e Alimentação tiveram as variações mais altas: 6,42% e 4,66%, respectivamente. Nesse período, o grupo Transportes apresentou uma forte deflação, da ordem de -3,53% e os outros grupos, Educação, Despesas Pessoais, Saúde e Vestuário ficaram com taxas dentro da normalidade.

Dezembro - Na análise apenas do último mês de 2018, os principais responsáveis pela inflação de dezembro foram os grupos: Habitação, com inflação de 0,91% e contribuição de 0,29% para o índice geral de inflação; Alimentação, com 0,90% e colaboração de 0,18%; e Saúde, com inflação de 0,09% e participação de 0,01%.

Com deflações, ficaram: Transportes, com deflação de (-1,85%) e contribuição de (-0,28%), Educação com deflação de (-0,12%) e contribuição de (-0,01%), Despesas Pessoais, com deflação de (-0,61%) e contribuição de (-0,05%) e Vestuário, com deflação de (-0,10%) e contribuição de (-0,01%).

Maiores e menores contribuições

Os 10 "vilões" da inflação, em dezembro:

Mensalidade de ensino fundamental, com inflação de 8,35% e contribuição de 0,17%;
Conta de telefone celular, com inflação de 5,41% e contribuição de 0,14%;
Batata, com inflação de 52,30% e participação de 0,13%;
Camisa masculina, com variação de 6,55% e colaboração de 0,08%;
Mensalidade de educação infantil, com acréscimo de 6,95% e contribuição de 0,05%;
Blusa, com variação de 0,81% e colaboração de 0,05%;
Queijo Muçarela/prato, com acréscimo de 16,43% e contribuição de 0,04%;
Hidratante, com reajuste de 6,55% e participação de 0,03%;
Alcatra, com elevação de 2,34% e colaboração de 0,03%.
Maça, com aumento de 18,99% e participação de 0,03%;
Já os 10 itens que auxiliaram a reter a inflação, com contribuições negativas foram:

Mensalidade de ensino superior, com deflação de -4,92% e contribuição de -0,24%;
Gasolina, com redução de -3,07% e colaboração de -0,12%;
Diesel, com diminuição de -1,87% e participação de -0,10%;
Leite pasteurizado, com decréscimo de -5,68% e contribuição de -0,07%;
Energia elétrica, com baixa de -0,80% e colaboração de -0,05%;
Calca comprida feminina, com diminuição de -2,38% e participação de -0,04%;
Papel higiênico, com redução de -3,65% e contribuição de -0,03%;
Acém, com decréscimo de -3,71%e colaboração de -0,03%;
Tomate, com queda de -13,30% e participação de -0,03%;
Vestido, com baixa de -5,61% e contribuição de -0,02%.
Segmentos

O grupo Habitação, que possui o maior peso de contribuição para o cálculo do índice mensal, apresentou inflação de 0,91%. Entre os destaques de produtos com aumento de preços estão: desinfetante (6,53%), limpa vidros (6,11%), conta de telefone celular (5,41%), entre outros com menores aumentos. Reduções de valor aconteceram com: pilha (-3,49%), carvão (-2,60%), esponja de aço (-1,27%), entre outros.

O grupo Alimentação registrou forte alta no mês passado: 0,90%, devido ao clima muito severo nas regiões produtoras de alimentos, principalmente, frutas e legumes, que tiveram reajustes de preços e quedas na qualidade dos produtos.

"Esse grupo sofre muita influência de fatores climáticos e da sazonalidade de alguns de seus produtos. Alguns alimentos aumentam de preços aos términos das safras, outros diminuem seu valor quando entram na época de colheita. Quando o clima é desfavorável há aumentos de preços, e o contrário acontece quando o clima se torna favorável, " explica Celso. O pesquisador também lembra que dezembro é o período de maior aquisição de produtos de alimentação, principalmente, carnes, frutas e bebidas, o que também deve ter impactado no índice do grupo.

Os maiores aumentos de preços que ocorreram em produtos desse grupo foram: batata (52,30%), maracujá (28,53%), cebola (26,31%), entre outros. Grandes quedas foram identificadas com: limão (-43%), tomate (-13,30%), chuchu (-12,84%), entre outros alimentos.

Dos quinze cortes de carnes bovinas pesquisados pelo Nepes da Uniderp, oito subiram de valor. São eles: filé mignon (4,77%), patinho (4,31%), picanha (3,72%), peito (3,45%), alcatra (2,34%), músculo (1,30%), contra filé (0,57%) e vísceras de boi (0,45%). Quedas de preços ocorreram com cupim (-4,55%), acém (-3,71%), costela (-2,64%), coxão mole (-2,56%), paleta (-2,49%), fígado (-2,31%) e lagarto (-0,01%).

Quanto aos cortes de carne suína, tiveram quedas de preços a costeleta (-2,79%) e pernil (-0,92%); e aumento de valor a bisteca (3,71%). O frango resfriado majorou 3,26% e miúdos reduziram (-3,04%).

O grupo Transportes se destacou pela deflação de -1,85%, motivado pelas reduções com gasolina (-3,07%), diesel (-1,87%), etanol (-0,02%) e pneu novo (-0,02%).

O grupo Educação seguiu a mesma tendência e fechou em –0,12%. Os principais aumentos ocorreram com as mensalidades de ensino fundamental (8,35%), educação infantil (6,95%) e artigos de papelaria (0,28%), porém o índice foi puxado pra baixo devido a redução da mensalidade de ensino superior, de -4,92%.

Queda também com o grupo Despesas Pessoais, que ficou com índice de -0,61%. Os principais produtos/serviços que tiveram aumentos de preços foram: hidratante (6,55%), ingresso de cinema (4,64%), produto para limpeza da pele (2,79%), entre outros. Baixas foram identificadas com fio dental (-3,95%), protetor solar (-3,82%), creme dental (-3,70%), entre outros itens.

A Saúde registrou pequena alta de 0.09%, devido à elevação nos preços de material para curativo (2,23%) e analgégiso e antitérmico (0,01%).

Vestiário encerrou dezembro com deflação de -0,10%. Entre os principais aumentos do grupo estão: camisa masculina (6,65%), saia (6,59%), sandália/chinelo masculino (6,58%), entre outros. Já peças como vestido (-5,61%), camiseta feminina (-5,05%), short e bermuda masculina (-4,25%), apresentaram reduções de valor.

IPC/CG - O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Veja Também

Diretor admite que Banco Central pode intervir no câmbio
Acadêmicos da Anhanguera auxiliam na declaração do IR de 2019
Preços do produtos de higiene e limpeza variam até 259%, diz Procon-MS
Energisa intensifica ações na Capital para combater inadimplência
Marquinhos Trad recebe prêmio Prefeito Empreendedor
Fábrica de MDF vai gerar 100 novos empregos a partir de julho
Em MS, 350 profissionais deverão explicar despesas altas
PepsiCo diz que seguiu trâmites legais em demissões da Mabel
Servidores da UFMS recebem “aulas” de educação financeira
MPT investiga demissão em massa de fábrica de biscoitos Mabel e Elbi’s