Menu
19 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Economia

Campo Grande tem 156,6 mil famílias endividadas

Valor médio de dívidas por família é de R$ 1.203 sendo o menor do Centro-Oeste

18 Out2016Da redação07h11

Em Campo Grande, 156.607 famílias estão endividadas. Isso significa que 56% dos lares campo-grandenses têm dívidas para pagar. Mesmo assim, Campo Grande detém a segunda menor quantidade de famílias endividadas da região Centro Oeste. Também é que a que possuiu o menor valor médio de dívidas por família, com R$ 1.203,00.  

Os dados são da  pesquisa Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias Brasileiras, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio SP).

Em relação às operações de crédito no País, a região Centro-Oeste é a de maior concentração, respondendo por 8,3% do número de famílias e 12,7% das tomadas de empréstimos no sistema financeiro formal. A análise contempla dados de 2013 ao primeiro semestre de 2016 com base em números do Banco Central do Brasil, do IBGE e da CNC.

Ainda segundo a pesquisa, as famílias da Capital comprometem 32% da sua renda com dívidas, superando a média nacional, de 31%. Segundo a Federação, o patamar em torno de 30% é considerado como um teto para o não comprometimento do orçamento familiar.  

A pesquisa aponta ainda que a Capital é a segunda da região Centro Oeste detendo o maior índice de famílias com contas em atraso (28%) perdendo apenas para Cuiabá (35%). “ Para calcular esse índice, considera-se o número de contas em atraso sobre o total de endividamentos, como o endividamento reduziu em 2015, automaticamente a participação desse índice de contas em atraso aumentou.”, observa a economia Daniela Teixeira. 

Observa-se nessa série de dados que a partir de 2014 o comportamento da população de MS se alterou, diante da instabilidade econômica. Tanto é que Campo Grande se apresentou como uma das cinco principais capitais que responderam mais rapidamente com uma redução no endividamento das famílias, diante desse cenário. De 2015 para 2016 também foi a capital que apresentou uma das maiores variações positivas do endividamento. Isto ao considerar os primeiros indícios de uma recuperação para o comércio e serviços de MS, ainda que haja uma trajetória longa para a consolidação dessa recuperação. Logo, não, necessariamente, devemos considerar o aumento do endividamento ruim porque aqui temos algumas especificidades dos campo-grandenses. Endividados, mas não inadimplentes”.

Fato esse que pode confirmar as tendências de aumentos discretos na intenção de compra das famílias. E a pesquisa da Fecomércio de São Paulo confirma essa tendência. Uma postura importante, principalmente, ao comércio e serviços, uma vez que estes são responsáveis por 53% do PIB, por 70% dos estabelecimentos e 51% da geração de empregos na economia de MS ”, afirma Daniela.

Números da pesquisa:
Região Centro-Oeste (Junho de 2016)
 
1 – Número de famílias endividadas (porcentual)
Brasília/DF – 708.550 (78%)
Cuiabá/MT – 118.888 (66%)
Campo Grande/MS – 156.607 (56%)
Goiânia/GO – 160.583 (34%)
 
2 – Parcela da renda mensal comprometida com dívidas
Brasília/DF – 35%
Campo Grande/MS – 32%
Cuiabá/MT – 31%
Goiânia/GO – 31%
 
3 – Valor médio de dívida por família
Goiânia/GO – R$ 1.687
Cuiabá/MT – R$ 1.528
Brasília/DF – R$ 1.415
Campo Grande/MS – R$ 1.203
 
4 – Porcentual de famílias com dívidas em atraso
Cuiabá/MT – 35%
Campo Grande/MS – 28%
Goiânia/GO – 19%
Brasília/DF – 14%
 
5 – Número de famílias
Brasília/DF – 910.859
Goiânia/GO – 472.920
Campo Grande/MS – 280.411
Cuiabá/MT – 179.467
 
6 – Renda Média (R$)
Goiânia/GO – 5.430
Cuiabá/MT – 4.879
Brasília/DF – 4.038
Campo Grande/MS – 3.709
 
7 – Massa de rendimentos (R$)
Brasília/DF – 3.678.037.469
Goiânia/GO – 2.567.723.606
Campo Grande/MS – 1.040.105.980
Cuiabá/MT – 875.637.707
 
8 – Participação da massa de rendimentos no total Brasil (%)
Brasília/DF – 2,1%
Goiânia/GO – 1,5%
Campo Grande/MS – 0,6%
Cuiabá/MT – 0,5%

Veja Também