Campo Grande •17 de Janeiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | Terça, 13 de Setembro de 2016 - 09h55Bancários e Fenaban têm nova rodada de negociação à tardePrincipais reivindicações dos bancários são a reposição da inflação em 9,62%

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e o Comando Nacional de Greve dos bancários fazem hoje (13) mais uma rodada de negociação. A categoria está paralisada desde a última terça-feira (6). Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), a adesão ao movimento atinge 11,5 mil agências e 48 centros administrativos, o que representa 48,9% dos locais de atendimento no país.

As principais reivindicações dos bancários são a reposição da inflação em 9,62%, mais 5% de aumento real, participação nos lucros de três salários mais R$ 8,3 mil e vales refeição e alimentação no valor de R$ 880,00 ao mês. A categoria protesta contra o assédio moral e as metas abusivas que, de acordo com a Contraf, provocam doenças entre os trabalhadores.

Em sua última proposta, encaminhada na sexta-feira (9), a Fenaban ofereceu reajuste de 7% para os salários e benefícios, além de abono de R$ 3,3 mil, que seria pago até dez dias após a assinatura do acordo. “A nova proposta resulta numa remuneração superior à inflação prevista para os próximos 12 meses, com ganho expressivo para a maioria dos bancários”, diz a entidade.

“A Fenaban entende que o modelo de aumento composto por abono e reajuste sobre o salário é o mais adequado para o atual momento de transição na economia brasileira, que passa de uma inflação alta para uma inflação mais baixa”, acrescenta o comunicado.

Na avaliação do presidente da Contraf, Roberto von der Osten, a proposta não atende às demandas dos trabalhadores. “Abono não é ganho real. É compensação por perdas”, ressalta Osten. “Insistem com a velha tese usada nos anos 90 de ajudar a saída da ‘crise’ com ‘âncora’ de redução salarial. Ou seja, contribuem com o dinheiro dos outros. Os trabalhadores não criaram crise nenhuma e não querem pagar o pato. Por isso, a greve aumentou”, disse ele.

Veja Também
Segunda, 16 de Janeiro de 2017 - 09h18Mercado projeta 9,75% ao ano para Selic em 2017 Atualmente, a taxa está em 13% ao ano
Segunda, 16 de Janeiro de 2017 - 08h25Cartilha vai orientar empregadores e empregados do setor produtivo Criação da cartilha foi decidida após um pedido do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços
Comércio teve aumento de vendas em dezembro
Sexta, 13 de Janeiro de 2017 - 17h59Valor das parcelas do seguro desemprego tem aumentou de R$ 101,48 em 2017 Reajuste tem como base a variação do INPC de 2016
Inflação entre idosos fecha 2016 em 6,07%, abaixo da média global do país
Após corte na taxa básica, bancos começam a reduzir juros para os clientes
Procon realiza pesquisa de material escolar em Três Lagoas
Recursos dos juros da dívida serão usados nos compromissos do governo
Serviços crescem, mas acumulado até novembro tem queda de 5%
Banco Central reduz Selic para 13% ao ano e surpreende o mercado
square noticias uci
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento