Campo Grande •25 de Março de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Aguas - Campanha Março

Da Agência Brasil | Terça, 13 de Setembro de 2016 - 09h55Bancários e Fenaban têm nova rodada de negociação à tardePrincipais reivindicações dos bancários são a reposição da inflação em 9,62%

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e o Comando Nacional de Greve dos bancários fazem hoje (13) mais uma rodada de negociação. A categoria está paralisada desde a última terça-feira (6). Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), a adesão ao movimento atinge 11,5 mil agências e 48 centros administrativos, o que representa 48,9% dos locais de atendimento no país.

As principais reivindicações dos bancários são a reposição da inflação em 9,62%, mais 5% de aumento real, participação nos lucros de três salários mais R$ 8,3 mil e vales refeição e alimentação no valor de R$ 880,00 ao mês. A categoria protesta contra o assédio moral e as metas abusivas que, de acordo com a Contraf, provocam doenças entre os trabalhadores.

Em sua última proposta, encaminhada na sexta-feira (9), a Fenaban ofereceu reajuste de 7% para os salários e benefícios, além de abono de R$ 3,3 mil, que seria pago até dez dias após a assinatura do acordo. “A nova proposta resulta numa remuneração superior à inflação prevista para os próximos 12 meses, com ganho expressivo para a maioria dos bancários”, diz a entidade.

“A Fenaban entende que o modelo de aumento composto por abono e reajuste sobre o salário é o mais adequado para o atual momento de transição na economia brasileira, que passa de uma inflação alta para uma inflação mais baixa”, acrescenta o comunicado.

Na avaliação do presidente da Contraf, Roberto von der Osten, a proposta não atende às demandas dos trabalhadores. “Abono não é ganho real. É compensação por perdas”, ressalta Osten. “Insistem com a velha tese usada nos anos 90 de ajudar a saída da ‘crise’ com ‘âncora’ de redução salarial. Ou seja, contribuem com o dinheiro dos outros. Os trabalhadores não criaram crise nenhuma e não querem pagar o pato. Por isso, a greve aumentou”, disse ele.

Veja Também
Energia deve subir 7% em MS
Reforma da Previdência é necessária para reduzir juros, diz presidente do BC
Negativação do Comércio cai pelo terceiro mês consecutivo
Consumidores acreditam em inflação de 7,5% nos próximos 12 meses
Sexta, 24 de Março de 2017 - 08h49Maduro diz que não é inimigo dos padeiros nem do setor privado Ele reafirmou a necessidade de "normalizar" a situação nas padarias de Caracas
JBS suspende produção em frigoríficos de MS
UE e 14 países suspendem compra de carne brasileira
Quinta, 23 de Março de 2017 - 11h43Terceirização irá ampliar mercado para os pequenos negócios Presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, comemorou votação da Câmara
Capital terá novo polo empresarial e escritório em SP
Frentistas de MS conquistam piso salarial de R$ 1.167,60
Square Banner Sicredi
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento