Campo Grande •25 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Da Agência Brasil | Terça, 14 de Novembro de 2017 - 12h27Agência de energia reduz previsões sobre demanda de petróleo em 2017 e 2018Correção tem impacto de 311 mil barris diários a menos no quarto trimestre de 2017

A Agência Internacional da Energia (AIE) revisou para baixo suas previsões sobre a demanda global de petróleo em 2017 e em 2018 pelo aumento nos preços do barril e devido às temperaturas mais suaves que o habitual no começo do inverno no hemisfério norte.

A correção tem impacto de 311 mil barris diários a menos no quarto trimestre de 2017. Para a média do ano, a redução é de 50 mil barris diários, explicou a AIE em seu relatório mensal sobre o mercado de hidrocarbonetos publicado hoje (14).

Os autores do estudo indicaram que também levaram em consideração o encarecimento do preço do barril, que é de cerca de 20% desde o início de setembro.

Isso significa que o consumo médio de petróleo em 2017 será de 97,7 milhões de barris diários, 1,5 milhão de barris a mais que em 2016.

Para 2018, a demanda ficará em 98,9 milhões de barris diários, um aumento de 1,3 milhões de barris em relação a este ano.  O número indica uma redução de 190 mil barris em relação à previsão antecipada no relatório do mês passado.

Pelo lado da oferta, a agência enfatizou que ela aumentou em 100 mil barris diários em outubro, para 97,5 milhões de barris, que são 470 mil barris a menos que no mesmo mês de 2016, devido aos cortes aprovados e aplicados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Redução da oferta

O grau de cumprimento dos acordos da Opep para equilibrar o mercado alcançou 96% em outubro (o maior número desde janeiro) e chega a 87% no somatório dos dez primeiros meses do ano.

Em outubro, a oferta da Opep foi reduzida em 80 mil barris diários, sobretudo, devido a Iraque, Argélia e Nigéria. A produção ficou em 32,53 milhões de barris diários, o menor nível desde maio e 830 mil barris diários a menos que no mesmo mês do ano passado.

No entanto, fora da Opep a extração de petróleo está aumentando, essencialmente pelos Estados Unidos, A AIE calcula que esse crescimento será de 700 mil barris diários em 2017 e de 1,4 milhão em 2018.

O relatório constata que por trás dos aumentos de preços recentes estão as inquietações geopolíticas, em particular os expurgos internos nos círculos de poder na Arábia Saudita e as crescentes tensões políticas no Oriente Médio.

Em relação às reservas comerciais dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), houve uma queda de 40,3 milhões de barris em setembro. Os países ficaram, pela primeira vez em quase dois anos, abaixo do limite simbólico dos 3 bilhões de barris.

A principal razão foi o ciclone Harvey, que causou uma paralisação nas provisões nos Estados Unidos. Se não houver uma crise geopolítica, a AIE não prevê uma volta à normalidade de preços que elevaria o seu piso de US$ 50 para 60 por barril.

Veja Também
Taxa do lixo poderá ser paga em 12 vezes, diz prefeito
Taxa de lixo poderá ser cobrada na conta de água ou luz
Shopping oferece descontos e sorteia carro 0 km
Na Capital, grandes lojas preparam virada das promoções
Águas Guariroba participa de campanha de negociação de dívidas
Terça, 21 de Novembro de 2017 - 10h51Segunda prévia do acelera a 0,37% Alta foi puxada pelos preços de produtos do setor agropecuário
CDL Campo Grande empossa novo presidente nesta terça-feira
Promoção da Sicredi Centro-Sul MS chega à reta final
MS tem menos devedores em 2017
Campanha Nome Limpo começa hoje
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento