Menu
26 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Data

Shows do Grupo Acaba e Tributo a Geraldo Roca na festa dos 39 anos de MS

Apresentações começam às 18h com entrada franca, no Parque das Nações Indígenas

11 Out2016Da redação11h27

A música que é a nossa cara celebra os 39 anos de Mato Grosso do Sul. O som mais que tradicional do Grupo Acaba e o Tributo a Geraldo Roca, espetáculo que reúne grandes artistas do nosso Estado, fazem no palco da Concha Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas, uma grande homenagem à nossa cultura. As apresentações serão nesta terça-feira (11 de outubro), a partir das 18 horas e a entrada é franca. A promoção é do Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.

A importância fundamental de um grande artista da música do Mato Grosso do Sul motivou o Show Uma Para Estrada – Tributo a Geraldo Roca. Co-autor da legendária Trem do Pantanal, hino extra-oficial do Estado, o grande compositor deixou ainda as inesquecíveis Polca outra vez, Mochileira, Rio Paraguai, Japonês tem três filhas e Uma pra estrada, que serão lembradas em emocionantes versões de antigos parceiros e companheiros de arte.

Com curadoria e direção musical de Paulo Simões e Jerry Espíndola, a homenagem reunirá representantes das diversas gerações influenciadas pela obra de Geraldo Roca. O repertório contará com releituras de novos talentos, que aprenderam o caminho das belas canções ao som das melodias e versos incomparáveis do artista.

Os músicos que farão a homenagem são Celito Espíndola, Jerry Espíndola, Guga Borba, Jonavo, Ju Souc, Maria Alice, Marina Dalla, Miska, Paulo Simões, Rodrigo Sater e Rodrigo Teixeira. Já a banda que dará suporte aos músicos é formada pelos experientes Alex Cavalheri, Gabriel Basso, Leandro Perez e Sandro Moreno.

Durante a apresentação de cada um dos artistas serão projetadas imagens (acervo pessoal e público) de Geraldo Roca em diversos momentos de sua vida. A cada troca de convidado serão exibidos depoimentos colhidos em emissoras locais e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul de personalidades que fizeram parte de sua carreira, como Renato Teixeira, parceiro e amigo íntimo e Humberto Espíndola, referência constante.

Todas as canções do espetáculo são de autoria de Geraldo Roca e foram gravadas por ele ou por seus parceiros. Porém, dentre todas, a única inédita é Caia Fora. E é ela que reúne no palco todos os músicos, encerrando a apresentação.

Grupo Acaba – nascido em 1966, mas batizado apenas em 1969 com o singelo anacrônimo de Associação dos Compositores Amigos do Bairro Amambaí, o Acaba leva na bagagem cinqüenta anos de música que transcendem a raiz sul-mato-grossense. Esse jeito de campo, de interior, de valorizar as coisas da terra – e não só a nossa terra – são as inspirações dos novos e antigos músicos.

Um DVD que celebra os cinqüenta anos do grupo foi gravado no dia 25 de setembro no Palácio Popular da Cultura com um espetáculo marcante. E é justamente este repertório que estará à disposição do público que acompanhar o show de homenagem aos 29 anos de Mato Grosso do Sul.

Em suas letras e canções, as experiências são também traduzidas como proteção. Foram pioneiros nas denúncias sobre destruição do bioma que é razão de sua arte: o Pantanal. Mesmo sem buscar diretamente o título, tornaram-se guardiões e divulgadores dos ritmos pantaneiros e de Mato Grosso do Sul.

Dos festivais dos anos setenta para o palco do Parque das Nações Indígenas, os músicos trajados de branco revivem a essência de seu trabalho, que gerou a Antologia Musical Pantanal: Nascentes, Rios e Vertentes, um amplo projeto que engloba o DVD, livro e novos álbuns. São cinqüenta músicas, cinqüenta histórias que se confundem com a própria história de nosso Estado. E o show é uma parcela disto.

O Grupo Acaba é atualmente integrado por Adriano Praça de Almeida, na flauta, sax, voz e efeitos; Alaor Pereira de Oliveira, compositor, violão e voz; Antônio Luiz Porfírio, compositor, baixo acústico e voz; Eduardo Lincoln Gouveia, na bateria, voz e efeitos; Francisco Saturnino Lacerda Filho, compositor, percussão e voz; Jairo Henrique de Almeida Lara, compositor, violão e voz; José Charbel Filho, compositor, violão, viola e voz; Moacir Saturnino de Lacerda, compositor, percussão e voz e Vandir Nunes Barreto, compositor, violão, craviola e voz.

Veja Também

MIS exibe documentário que retrata falência do combate às drogas
Oficina inicia projeto 'Dança além do palco' na segunda-feira
Projeto de leitura de escola municipal ganha selo especial dos Correios
Espetáculo gratuito “Ópera do Malandro” será apresentado na Capital
Capital terá Festival Internacional do Chamamé
Artista da Capital pinta a paixão por índios
Embalos do samba, chamamé e rock no Sesc Morada
Peça de teatro que combate suicídio será apresentada neste sábado
Oficina gratuita de Desenho do Centro Cultural tem início dia 18 de abril
Governo apoia tradição gaúcha com repasse de R$ 150 mil para festival