Menu
19 de junho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Frutos do MS

Série pela diversidade é gravada na Capital

Xanya e as Draguerreiras lutam contra a exclusão na cidade de Campus Imensus

10 Jan2019Luany Mônaco - Especial para o Diário Digital14h14
(Foto: Marco Miatelo)
  • Artistas gravam no estúdio da TVE, cedido para que a série saísse do papel
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Dispostos a falar sobre as opressões sofridas pelas minorias em um seriado de qualidade e nível nacional, 14 jovens artistas sul-mato-grossenses se reuniram para tocar na ferida da intolerância e gravar uma série independente recheada de humor, perucas e muito glitter. “Xanya e as Draguerreiras” conta a história de três personagens que se tornam poderosas quando se montam de drag e vivenciam situações de exclusão na cidade de Campus Imensus.

Xanya foi criada no ano de 2015 para participar de uma promoção de loja, o prêmio era uma peruca e um kit de maquiagem muito cobiçados por Guilherme de Moraes, criador da personagem. Um curta que contava a história desta draguerreira foi produzido, a criação fez muito sucesso, mas foi eliminada por ultrapassar 03 segundos do tempo limite exigido para participação da premiação.

Mesmo sem receber o prêmio “Xanya, a draguerreira” foi uma febre no interior de Mato Grosso do Sul, sua continuação “Xanya 2” garantiu 2° lugar na categoria Trash na Mostra Audiovisual de Dourados (MAD) em 2017 e o primeiríssimo lugar no Júri Popular. Com estas vitórias ficou decidida a transformação da personagem em uma série ficcional voltada ao público adulto, chamada “Xanya e as Draguerreiras”.

Sem ter por onde começar o grupo de artistas tentou angariar custos por meio de um edital da Ancine, mas não conseguiram. Sem desistir a galera conseguiu dar continuação ao projeto depois que um empréstimo de R$ 30 mil foi feito pelo diretor da trama. Dos 13 episódios que tem a 1° temporada do seriado, apenas 6 serão gravados.

A expectativa é de vender a criação para redes de televisão, ou canal de streaming, e arrecadar fundos para continuar a produção do 2° ciclo da 1° temporada. “Somos uma série que exigiria uma equipe de 35 a 40 pessoas, no momento a gente trabalha com 14” conta Guilherme que garante o pagamento de todos os trabalhadores.

Wagner Torres interpreta Neto, um dos protagonistas do seriado, ele é um universitário estudante de economia de classe média alta um tanto esnobe. Ao se montar de Black Card ele se transforma em uma draguerreira, que apesar do seu ar “enjoado” representa o valor dos trabalhadores e, no decorrer da série, aprofunda seus discursos em relação ao consumo, mercado e relações de trabalho.

Quem dá vida a esta guerreira explica o porque se torna tão gratificante interpretar a protagonista “pra mim é muito importante estar participando disso porque já fui vítima de homofobia também. É muito forte já que é justamente uma das temáticas da série que é combater estas injustiças, preconceitos, que não estão apenas na tela, é a vida real” revela o ator Wagner.

Para conferir a primeira temporada da série “Xanya e as Draguerreiras” é só ficar de olho no canal do Youtube da série, os episódios devem ser lançados um a cada sábado a partir da 2° quinzena de março de 2019.

Veja Também

Pinturas gigantes são revitalizadas
Programação especial no MIS celebra Dia do Cinema Brasileiro
Festival de Inverno de Bonito terá criatividade do BaianaSystem
Cine Sesc destaca o Cinema Novo, Tropicália e drama cotidiano
Sesc tem oficina de monotipia e cinema para crianças neste sábado
Tradicional Arraial do Banho de São João terá quatro dias de festa
Arraial da Capital começa nesta quinta-feira
Cine Sesc tem filme que marcou o cinema novo e drama francês
Estudantes de MS vencem Projeto Cineastas 360º
Tribunal de Contas lança livro sobre eficiência administrativa