Menu
25 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Polêmica

Não se pode calar a voz da literatura, diz presidente da UBE-MS

Extinção da disciplina de literatura na rede estadual gera repúdio de escritores

13 Fev2017Valdelice Bonifácio14h30
Escritores locais perderão espaço com medida da SED, segundo a presidente da UBE-MS (Foto: Marco Miatelo)
  • Ana Maria Bernardelli, presidente da UBE-MS
  • Escritores locais perderão espaço com medida da SED, segundo a presidente da UBE-MS (Foto: Marco Miatelo)
  • Ana Maria Bernardelli, presidente da UBE-MS, é escritora de contos e poemas (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A resolução da Secretaria Estadual de Educação (SED) que integrou o ensino de literatura ao de língua portuguesa, é alvo de repúdio de escritores locais que não concordam com a extinção da disciplina. A União Brasileira de Escritores de Mato Grosso do Sul (UBE-MS) encabeça um abaixo-assinado online contra a medida que já tem várias adesões. "Não se pode calar a voz da literatura. O que estão fazendo é dar um espaçozinho à matéria, desmerecendo a importância dela na formação dos nossos alunos", analisa a presidente da UBE-MS Ana Maria Bernardelli.

A polêmica resolução de número 3.196 foi publicada em Diário Oficial no dia 31 de janeiro de 2017 visando a "organização curricular e o regime escolar do ensino fundamental e do ensino médio nas escolas da Rede Estadual de Ensino [...]". Com a nova grade, as duas horas semanais antes dedicadas à literatura serão anexadas ao ensino de língua portuguesa e matemática, disciplinas que passarão a ser ministradas quatro vezes por semana, em vez de três.

Pelo planejamento da SED, os conhecimentos e saberes da língua portuguesa serão integradas com a literatura. Porém, na avaliação da presidente da UBE-MS, que é professora aposentada de produção de texto e escritora de contos e poemas, pouco sobrará para o ensino de literatura.  "O texto literário voltará a ser apenas um pretexto para o ensino de gramática. Não é que as disciplinas não possam se integrar, podem, mas o texto literário precisa ser estudado em sua amplitude e isso deixará de acontecer por falta de espaço", analisa.

Ana Maria lamenta que a literatura esteja sendo rebaixada na grade do ensino justamente na fase da vida em que os alunos mais precisam dela que é na adolescência. "Literatura não é só o prazer de ler, mas a abertura para a reflexão sobre a realidade e aprimoramento da sensibilidade", explica.

A presidente da UBE-MS considera que o corte da disciplina de literatura tornará os estudantes da rede estadual defasados em relação aos alunos das escolas particulares. "Além disso, existe a questão da competitividade. Os grandes vestibulares do País, como o da Fuvest, por exemplo, tem vasta exigência em literatura. Como os nossos alunos se sairão bem nesta prova se estão estudando literatura de forma superficial?", questiona.

Para Ana Maria, a nova organização da SED fará com que alunos deixem as escolas sem ter contato com obras de autores consagrados como Machado de Assis, José de Alencar, Guimarães Rosa e outros. Há ainda os escritores locais que, segundo a dirigente, perderão espaço no ensino público.

Outro fato que têm preocupado professores da área, conforme a presidente UBE-MS, é a falta  de explicações por parte da SED. "Ao longo dos anos alguns professores se tornaram especialistas em literatura e outros em gramática. Como é que de uma canetada se muda uma situação. A nossa pergunta é como serão ocupados esses professores? Vai ter algum treinamento para preparar estes educadores para essa nova realidade?." 

Além da UBE-MS, também houve repúdio contra a resolução da SED por parte da Academia Douradense de Letras (ADL) que emitiu nota pública. Para a entidade, as artes e a literatura estão sendo desprestigiadas. "Não podemos coadunar com uma forma  anônima de desconstruir o lugar de direito da Literatura no panteão do conhecimento humano e na formação com valor e cidadania que lhe é próprio", diz, em nota, a ADL.

A extinção da disciplina de literatura também movimenta a classe política. Recentemente,o deputado estadual Pedro Kemp (PT) se manifestou sobre o assunto na Assembleia Legislativa. Ele solicitou que a SED preste esclarecimentos sobre o assunto aos professores e que repense tal medida ou ao menos espere até que o assunto seja discutido com a sociedade. 

SED - Por meio da assessoria de imprensa, a SED informou que deverá emitir uma nota oficial sobre o assunto ainda nesta semana. Porém, de antemão, a assessoria informou que a secretaria não está desprestigiando a literatura, mas apenas redirecionando o ensino da mesma para a língua portuguesa. A SED tem total interesse que os estudantes continuem tendo acesso à literatura.

Abaixo assinado - O abaixo assinado pode ser acessado em www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/34983.  Também está sendo divulgado nas redes sociais, em protesto contra a medida, a hashtag #PorUmMSLiterário.

Veja Também

Oficina inicia projeto 'Dança além do palco' na segunda-feira
Projeto de leitura de escola municipal ganha selo especial dos Correios
Espetáculo gratuito “Ópera do Malandro” será apresentado na Capital
Capital terá Festival Internacional do Chamamé
Artista da Capital pinta a paixão por índios
Embalos do samba, chamamé e rock no Sesc Morada
Peça de teatro que combate suicídio será apresentada neste sábado
Oficina gratuita de Desenho do Centro Cultural tem início dia 18 de abril
Governo apoia tradição gaúcha com repasse de R$ 150 mil para festival
História do tradicional Hotel Gaspar é relatada em livro