Menu
16 de setembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Cultura

MIS abre discussão sobre identidade sexual com filme de Almodóvar

Filme lida com temas complexos como Aids, travestilidade, identidade sexual, religião, fé e existencialismo

22 Mai2019Da redação16h19

O Museu da Imagem e do Som (MIS-MS), em parceria com o Cineclube Árvore-Ser, exibe nesta quinta-feira (23.05), às 19 horas, o filme “Tudo sobre minha mãe”, dirigido por Pedro Almodóvar. O evento é aberto a todos os interessados, com entrada franca. A classificação é de 14 anos.

A trama conta que no dia de seu aniversário, Esteban (Eloy Azorín) ganha de presente da mãe, Manuela (Cecilia Roth), um ingresso para a nova montagem da peça “Um bonde chamado desejo”, estrelada por Huma Rojo (Marisa Paredes). Após o espetáculo, ao tentar pegar um autógrafo de Huma, Esteban é atropelado e morre. Manuela resolve então ir até o pai do menino, que vive em Barcelona, para dar a notícia. No caminho, ela encontra o travesti Agrado (Antonia San Juan), a freira Rosa (Penélope Cruz) e a própria Huma Rojo.

O filme tem duração de 1h45 min e lida com temas complexos como Aids, travestilidade, identidade sexual, religião, fé e existencialismo. O título original do filme, “Todo Sobre Mi Madre”, é uma homenagem de Pedro Almódovar ao filme “All About Eve” (no Brasil, “A Malvada”), de 1950.

Este é o 2º filme em que o diretor Pedro Almodóvar e a atriz Penélope Cruz trabalharam juntos. O primeiro foi Carne Trêmula (1997).

“Tudo Sobre Minha Mãe” foi a 18ª indicação de um filme espanhol na categoria de melhor filme estrangeiro do Oscar. Foi premiado com o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar, no Globo de Ouro e no César de 2000, ganhou como melhor filme no Goya, Melhor Filme Estrangeiro no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro e Melhor Diretor no Festival de Cannes.

O Cineclube Árvore-ser, que é parceiro do MIS nesta exibição, é um projeto independente de estudantes universitários, que surgiu em 2016 com o objetivo de proporcionar o acesso à cultura na cidade e provocar o debate sobre temas ligados à filosofia e educação.

O início das atividades do Árvore-ser foi com o Café Filosófico na Casa Fernando Pessoa, no bairro Villas Boas, em abril de 2016, como ideia do estudante de Filosofia da UFMS, Alyson Ladislau. A parceria com o MIS iniciou-se no ano passado, com a exibição de Blade Runner.

Um dos integrantes do Cineclube, o estudante de Arquitetura da Uniderp, Douglas Setorowicz, explica que o nome do grupo surgiu a partir da obra de Manoel de Barros. “Arvore-ser é a pessoa que tenta evoluir a partir disso, do estado de ser árvore. Visamos trazer pessoas novas para, com o objeto do filme, tratar da nossa realidade, para trazer algum tipo de debate para refletir sobre algumas situações da nossa realidade. A gente tenta fazer essa interação das pessoas com a cultura e a educação”.

Serviço: Exibição do filme “Tudo sobre minha mãe”, em parceria com o Cineclube Arvore-ser. Dia 23 de maio, quinta-feira, às 19 horas. Entrada franca. Classificação indicativa: 14 anos. O MIS fica no 3º andar do Memorial da Cultura e Cidadania, na avenida Fernando Corrêa da Costa, 550, Centro. Telefone: (67) 3316- 9178. O Cineclube divulga sua agenda nas mídias sociais: https://www.facebook.com/arvoresendo.

Veja Também

Marco abre segunda temporada de exposições de 2019
Livraria doa 370 livros infantis para escola da Reme
Obra do biólogo espanhol Ignácio Jiménez-Pérez será lançada em MS
Projeto Arte do Meu Bairro vai ao Dom Antônio neste sábado
Fernando Marson mostra seu talento em nova exposição da Energisa
Sertanejos de MS vencem concurso nacional de talentos
Confraria Sociartista terá sede em espaço cedido pela prefeitura
Escritora campo-grandense toma posse entre os imortais da literatura
'Dancidades' abre inscrições gratuitas para oficina e curso
Capital recebe vencedora do Grammy