Menu
20 de fevereiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Esperança

A magia do circo não pode parar

Arte circense passa de pai para filho e o espetáculo ganha novos personagens

27 Dez2019Thays Schneider11h00
(Foto: Luciano Muta)
  • As crianças cresceram e hoje se  reinventam,  cada um em uma função
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)

De geração para geração. O pai ensinou para os filhos tudo que aprendeu no circo e a família Perez continua esbanjando a magia circense. Mas há alguns anos o pensamento era um pouco diferente. Em 2012 o Diário Digital fez uma reportagem com os irmãos Perez. Eles trabalhavam sozinhos e  acreditavam que logo o circo se acabaria.

Em 2019 nossa equipe voltou até o circo da família Perez e agora quem comanda todo o espetáculo são os filhos dos irmãos Wagner  e Hugo.  Aos 11 anos Artur Perez faz o personagem do palhaço Bolachinha,  que encanta a plateia com suas travessuras. Desde três anos o Bolachinha já  pintava o rosto e subia no palco com o pai e aprendeu tudo que sabe seguindo os passos de seu pai Wagner.

As crianças cresceram e hoje se  reinventam,  cada um em uma função. No espetáculo se apresentam  malabaristas, trapezistas e dançarinos com envolvimento da  família toda. Em  2020 os Perez  querem percorrer todo o Mato Grosso do Sul levando alegria por meio dos espetáculos.

A família conta que sobrevive dos espetáculos que são realizados nos bairros de Campo Grande. O o circo permanece 15 em cada comunidae. Wagner relata que levava o projeto para os bairros através de apoio e incentivo cultural. Mas  para 2020 não será possível porque o investimento que era disponibilizados para eles foram cortados pelo município.

Os irmãos garantem que não querem parar com a tradição, mas sem incentivo público fica difícil. Ressaltam que é precisam  de recursos  para fazer as coisas acontecerem na luta constante para manter a magia do circo viva. Neste mês o circo está instalado no Bairro Tiradentes e deve permanece até cinco de janeiro de 2020. Depois eles devem seguir para o Bairro Coophavila.

A perseverança de continuar com os espetáculos continua. Mesmo com os tropeços e desafios no caminho. Um deles foi o incêndio que atingiu o caminhão do circo em fevereiro deste ano. As chamas destruíram o veículo onde vivia a família do palhaço Bolachinha. Eles perderam tudo, inclusive os figurinos  usados nos espetáculos.

E para recomeçar a família teve ajuda do apresentador Geraldo Luís, do programa Domingo Show da Rede Record.

E eles seguem cheios de sonhos e planos. Transformar o circo em espaço de festa é um deles. As comemorações infantis podem acontecer onde eles estiverem instalados ou  irmãos Perez podem também ir até o local de festas. O  contato é pelo  telefone (67)998521580.

Veja Também

Cras promove Carnaval com marchinhas e escola de samba para idosos
Escolas de samba de Corumbá fazem ensaio técnico neste domingo
Aquidauana promove Carnaval Ecológico de Piraputanga
Mostra de Cinema reverencia o samba em sessões gratuitas
Projeto leva pagode e MPB à 14 de Julho neste domingo
Criançada tem Oficina de Estêncil e cineminha no Sesc Corumbá
Literatura, cinema e música na semana do Sesc Cultura
7° Baile do Servidor será no dia 15 de Fevereiro
Prorrogadas inscrições do concurso de Momo e marchinhas
Carnaval de Corumbá já começou e deve movimentar R$ 13 milhões