Menu
16 de agosto de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Studio Center - Black Friday da Fronteira 2018
Novos autores

Livros são premiados na 15° edição do Prêmio Sesc de Literatura

Obras premiadas contam sobre o corpo feminino e a homossexualidade

14 Jun2018Agência Brasil20h00

Em seu 15º ano, o Prêmio Sesc de Literatura para novos autores anunciou nesta quinta-feira (14) os vencedores da edição de 2018. Juliana Leite Arantes é a vencedora na categoria romance com a obra Magdalena usa as mãos e Tobias Augusto Jung de Carvalho é o premiado na categoria contos com As Coisas. O prêmio recebeu 820 inscrições de romances e 720 livros de contos. Todos os textos precisavam ser inéditos e de autores estreantes.

Os ganhadores vão participar da programação do Sesc Paraty durante a Festa Literária de Paraty (Flip) 2018, que ocorrerá de 25 a 29 de julho. Eles receberão o prêmio em uma cerimônia no segundo semestre, quando também serão lançadas as duas obras.

Com 35 anos, Juliana venceu o prêmio com o livro Magdalena usa as mãos, em que conta a história de uma mulher que sofre um grave acidente e precisa passar por um processo de reconstituição de seu corpo e de sua subjetividade.

A obra levou quatro anos para ficar pronta, tempo em que o processo foi revelando as questões a serem abordadas, e a mensagem que Juliana buscava passar. Em sua jornada de reconstrução, a protagonista conta com a ajuda de três tias, que a guiam por meio de sabedorias manuais transmitidas de geração em geração na família.

"O que eu estava querendo pensar era como o texto literário pode ser um trabalho manual, como pode ser um tecido e como aquelas linhas que a gente lê podem ser linhas de uma trama", conta a escritora, que trabalha com comunicação e marketing e já está escrevendo seu segundo livro.

A autora conta que a obra não é um "panfleto", mas tem ecos de sua vivência. "O fato de ser uma mulher protagonista faz com que ela ecoe todos esses combates da pauta feminista. Sendo mulher, sou atravessada por isso o tempo inteiro".

A experiência pessoal também alimentou os 25 contos do livro As Coisas, que rendeu o prêmio da categoria ao estudante de relações internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Tobias de Carvalho. Aos 22 anos, o autor conta histórias que viu e ouviu como um jovem gay em Porto Alegre. "São personagens que têm muita relação comigo, que vivem muitas coisas que eu vivo, que eu conheço e que os meus amigos vivem. Mas não é autobiográfico."

Apesar de já ter participado de oficinas de escrita, Tobias nunca havia compilado contos em uma obra. Em seu primeiro livro, o autor quis dar voz a questões que considera sub-representadas na literatura e ir além da narrativa de autoconhecimento, normalmente comum em histórias sobre homossexuais.

"Queria falar da complexidade das relações entre os homossexuais, sobre como se entendem", diz o estudante afirmando que explora o universo de relações efêmeras dos aplicativos e também os relacionamentos duradouros. "Como os homossexuais crescem com muitos estigmas e traumas, eles se entregam de uma maneira diferente."

Veja Também

Sesc Cultura resgata composições de Lídia Baís
Morada dos Baís festeja centenário
UEMS abre inscrições para curso básico de violão em Dourados
Filme A Pele Morta terá cena gravadas em Dourados e Ponta Porã
Whisky de Segunda faz apresentação gratuita neste domingo no Som da Concha
Cia Dançurbana e Grupo Bailah apresentam espetáculos na Casa de Ensaio
Cine Sesc tem biografia, segunda Matinê Sesc Aldeia Materna e drama francês
Exposição 'Isto não é uma cadeira' é aberta no Marco
Passista da São Clemente vem à Capital
Marco abre 2ª Temporada de Exposições