Menu
16 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Especial 42 Anos

Livro de Ulysses Serra marca a identidade cultural de MS

Obra faz uma espécie de radiografia sociológica e surpreendente da sociedade do Sul do então Mato Grosso uno

11 Out2019Da redação08h21
(Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O aniversário de criação de MS é sempre momento de enaltecer a arte e literatura do Estado. Entre os vários livros publicados por escritores sul-mato-grossenses a obra 'Camalotes e Guavirais', escrita em 1971, por Ulysses Serra, corumbaense radicado em Campo Grande é a que, segundo a escritora e vice-presidente da Academia Sul-mato-grossense de Letras, Raquel Naveira, marca a identidade de Mato Grosso do Sul na literatura.

Em sua análise, o livro marcou sobretudo por fazer uma espécie de radiografia sociológica – e surpreendente – da sociedade do Sul do então Mato Grosso uno. São crônicas e contos (anteriormente publicados em jornais e revistas) que recriavam o cotidiano de Corumbá (referência dos camalotes) e Campo Grande, com seus guavirais.

Ulisses só deixou uma obra e mesmo assim publicou o livro por insistência dos amigos. Faleceu um ano depois. No livro “História da Literatura Sul-Mato-Grossense”, o autor, José Couto Vieira Pontes diz que o livro de Ulysses Serra tinha “fermento”. Á época, segundo Naveira, o livro deu impulso à vontade que os campo-grandenses tinham de se ‘aculturar” e não ser apenas uma cidade bovino-cultura.

Além do livro, Ulisses foi responsável pela criação da Academia de Letras (na época chamada Academia de Letras de Campo Grande). Em Maio de 2018, um busto em bronze foi colocado na entrada da sede da Academia na Capital em homenagem ao seu fundador.

Uma placa colocada na base transcreve um trecho da obra prima de Ulysses Serra: “Se eu morrer alhures onde quer que seja morrerei um exilado e um proscrito de mim mesmo. Aqui não morreria de todo. Ouviria o passo e a voz dos meus amigos, o gorjeio dos pássaros que amo, o farfalhar das frondes que conheço e o bater do coração da minha casa.”

"Trata-se de alguém que todo estudante deveria conhecer a história. O livro dele é uma obra que todas as escolas deveriam ter. A importância dele é muito grande não somente por ter fundado a academia, mas porque é autor de uma obra que foi o grande acontecimento literário de Campo Grande”, definiu o Secretário Geral da Academia, o poeta Rubênio Marcelo na noite de lançamento do busto.

(Com informações da assessoria de imprensa do governo de MS)

Veja Também