Menu
22 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Senado

Homenagem a Manoel terá depoimentos de artistas

Será apresentado trecho do projeto Crianceiras, espetáculo baseado nos poemas de Manoel

11 Mar2017Da redação15h17

Na próxima segunda-feira, 13 de março, o Senado vai promover, às 11h,  uma sessão especial em homenagem ao centenário de nascimento do poeta Manoel de Barros. “Nada mais justo e oportuno que homenagear um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos, gênio reverenciado nos quatro cantos do mundo. O Manoel nasceu em Cuiabá mas era sul-mato-grossense de coração. Ninguém, como ele, cantou tão bem, em versos, as belezas e mistérios do Pantanal”, afirma o senador Pedro Chaves, autor do requerimento da homenagem.

Na solenidade serão exibidos depoimentos, em vídeo, de vários artistas que admiram a obra do poeta. Além disso, o cantor e compositor Márcio de Camillo vai apresentar um trecho do projeto Crianceiras, espetáculo cênico-musical baseado nos poemas de Manoel de Barros.

“Será uma homenagem muito singela, adequada à simplicidade do nosso querido Manoel, homem reservado, de poucas palavras, mas de imensa sabedoria”, antecipa o senador. Há 18 anos, Pedro Chaves, na época reitor da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP), fundou, em Campo Grande, a Fundação Manoel de Barros, que apoia e promove projetos culturais, de desenvolvimento social e preservação ambiental.

Biografia - Manoel de Barros nasceu em 1916 e morreu aos 98 anos, em 2014, em Campo Grande (MS). Ele é considerado um dos principais poetas brasileiros contemporâneos e escrevia versos nos quais elementos regionais se conjugavam a considerações existenciais e uma espécie de “surrealismo pantaneiro”. Publicou seu primeiro livro de poesias, “Poemas Concebidos Sem Pecados”, em 1937. Em seguida, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se formou bacharel em Direito, em 1941.Viajou para a Bolívia e o Peru, conheceu Nova York e era familiarizado com a poesia modernista francesa.

A partir de 1960 passou a se dedicar a sua fazenda no Pantanal, onde criava gado. Sua consagração como poeta se deu ao longo das décadas de 1980 e 1990. Recebeu o Prêmio da Crítica/Literatura, concedido pela Associação Paulista de Críticos de Arte. Foi contemplado também com o Prêmio Jabuti de Poesia, concedido pela Câmara Brasileira do Livro, pela obra “O Guardador de Águas”.

Autoridades já confirmadas: presidente da Fundação Manoel de Barros e Reitora da UNIDERP, Leocádia Aglaé Petry Leme, vice-presidente da Fundação Manoel de Barros, Marcos Henrique Marques, Secretária de Articulação com os Sistemas de Ensino do MEC , Regina Assis, que representará o ministro da Educação, Mendonça Filho, a presidente do INEP, Maria Inês Fini, embaixador do Sudão em Brasília, Ahmed Elsiddig, ministro conselheiro Sanzhar Ualikhanov, senadores Waldemir Moka(PMDB), Simone Tebet(PMDB), João Alberto Souza (PMDB/MA), João Capiberibe (PSB/AP) e José Agripino( DEM/RN), deputados federais Izalci Lucas PSDB/DF e Zeca PT/MS e o  vereador Betinho (PRB/MS).

Veja Também

Oficina inicia projeto 'Dança além do palco' na segunda-feira
Projeto de leitura de escola municipal ganha selo especial dos Correios
Espetáculo gratuito “Ópera do Malandro” será apresentado na Capital
Capital terá Festival Internacional do Chamamé
Artista da Capital pinta a paixão por índios
Embalos do samba, chamamé e rock no Sesc Morada
Peça de teatro que combate suicídio será apresentada neste sábado
Oficina gratuita de Desenho do Centro Cultural tem início dia 18 de abril
Governo apoia tradição gaúcha com repasse de R$ 150 mil para festival
História do tradicional Hotel Gaspar é relatada em livro