Menu
19 de novembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner - AL/MS - Campanha Mudanças
Sétima Arte

Cineasta vem a Capital lançar documentário sobre cerrado

Filme Ser Tão Velho Cerrado será apresentado o dia 5 de novembro, na Câmara Municipal

1 Nov2018Da redação13h00

No dia 5 de novembro, a partir das 19h, no plenário da Câmara Municipal de Campo Grande, será apresentado o filme Ser Tão Velho Cerrado do cineasta, produtor e roteirista André D’Elia, que é conhecido mundialmente por produzir filmes documentários a partir da realidade de comunidades e seu bioma/meio em que vivem. Após o filme ocorre cinedebate com D’Ellia.

Esta é a primeira vez que André D’Elia vem ao Mato Grosso do Sul. O convite foi feito pela Frente Parlamentar de Vereadores Ambientalistas, que é coordenada nacionalmente pelo vereador por Campo Grande Eduardo Romero (Rede), e pela Escola do Legislativo da Câmara da Capital. A entrada é gratuita e limitada conforme capacidade do plenário da Casa de Leis, por isso é preciso fazer inscrição pelo site da Câmara. 

O filme documentário tem 96 minutos e foi produzido a partir da realidade de moradores da Chapada dos Veadeiros, em Goiás. Eles decidiram se unir para defender o meio ambiente. A partir da elaboração de um plano de manejo inicia-se um movimento para conciliar interesses dos agricultores familiares, comunidade científica, defensores do meio ambiente e grandes proprietários de terra.

A Escola do Legislativo e a Frente Parlamentar já tinham promovido cinedebate com filme de André D’Elia em 2015 com ‘A Lei da Água – Novo Código Florestal. Desta vez foi feito convite para o cineasta participar e fazer, por exemplo, suas observações sobre o que sentem as comunidades em relação à conservação de seus biomas e esta relação entre a história retratada em Goiás com o que está acontecendo com o Cerrado no Mato Grosso do Sul.

Eduardo Romero explica que a conservação do Pantanal e Mata Atlântica são temas mais claros aos olhos da sociedade, porém o Cerrado é o bioma no Estado que mais tem sofrido com recordes de desmatamento que está levando todo um ecossistema à extinção.

O parlamentar alerta para estudos que revelam que o Cerrado é responsável por 75% da vazão das principais bacias do País e que resta apenas 23,9% da vegetação original. O Estado já teve mais de 75% da área desmatada até 2010, segundo o IBGE.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o cerrado se destaca não só pela diversidade de espécies de flora e fauna, mas sobretudo pela produção agrícola. Devido à expansão da fronteira agrícola brasileira, o bioma vem sendo degradado nos últimos anos para abertura de novas áreas de produção de grãos.

Sinopse - 40 milhões de anos em um filme. Este documentário é uma grande campanha em defesa do Cerrado que sofre com desmatamentos recordes levando um ecossistema inteiro à extinção. Preocupados, alguns moradores da Chapada dos Veadeiros decidem se unir para defender a natureza.

Serviço - O filme será exibido às 19h do dia 5 de novembro, no plenário Oliva Enciso, da Câmara Municipal de Campo Grande. Interessados terão certificado de 4 horas aula. Para participar é preciso faze inscrição antecipada no site da Câmara. Chegar com antecedência. Mas informações: 3316-1534.

Veja Também

Banda On The Road, Haiwanna e Vertigo agitam Só Rock no Horto
Cine Sesc exibe longa 'Eu Não Sou Seu Negro'
Sesc Cultura tem teatro para bebês e oficina com grafismos africanos
Projeto de MS é premiado no Desafio Criativos da Escola
Livro baseado na poesia de Manoel de Barros é lançado em shopping
Cine Sesc exibe película cubana 'Numa escola de Havana'
12ª Mostra de Cinema dos Direitos Humanos na Capital
Filme de MS concorre em cinco categorias em Festival Internacional de Cinema Independente
A dança invade praças de Campo Grande
Maestro solista da  UFMS-Cordas se apresentam no Movimento Concerto