Campo Grande •17 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner SEGOV - Governo Presente 3 DETRAN/DESAFINADOS

Da redação | Terça, 1 de Agosto de 2017 - 18h18Projeto de lei reconhece bovino pantaneiro como patrimônio cultural de MSProposta foi apresentada por Felipe Orro na sessão plenária desta terça-feira

(Foto: Divulgação)

O deputado Felipe Orro (PSDB) apresentou projeto de lei, durante a sessão plenária desta terça-feira (1/8), que reconhece o bovino pantaneiro como Patrimônio Cultural e Genético de Mato Grosso do Sul, "por constituir patrimônio natural portador de referência e identidade às ações e à memória da sociedade sul-mato-grossense". Na justificativa da proposta, o parlamentar faz um retrospecto da história e importância da raça para a identidade do Estado.

"A origem dos bovinos pantaneiros se confunde com os primórdios da pecuária no Pantanal. Também chamado de cuiabano, jofreano, taquati, taboqueano ou tucura, este bovino está intimamente associado às tradições culturais do povo pantaneiro, estando eternizado nas poesias e nas modas de viola como 'boi soberano', 'boi fumaça', 'boi cigano', entre outros", afirmou Orro.

Segundo ele, os primeiros registros da raça ocorreram por volta do ano 1500, quando os ancestrais ibéricos, portadores de genes taurinos, foram inicialmente introduzidos pelos canais do Rio da Prata e Rio Paraguai, por expedições espanholas que vinham em busca de metais preciosos no Peru. Posteriormente, de 1725 a 1736, com o Ciclo do Ouro, outros grupos genéticos de origem portuguesa foram trazidos para o Pantanal. Assim, do cruzamento das raças surgiu o chamado bovino pantaneiro, com DNA essencialmente europeu e oriundo essencialmente da miscigenação de 11 raças, sendo cinco espanholas e seis portuguesas.

Em 1928, criadores da Nhecolândia, na região compreendida pelos rios Taquari, Negro, Miranda e Paraguai, introduziram touros das raças Shorthorn e Hereford, com o intuito de melhorar as características zootécnicas do gado pantaneiro. O deputado Orro reiterou que o bovino pantaneiro entrou em decadência no início do séculos XX, em função de cruzamentos com outras raças, em especial os zebuínos, como a raça Nelore, mas é um grupo genético altamente adaptado ao ambiente peculiar do Pantanal. "Saber que existe um gado europeu geneticamente resistente e adaptado às condições ecológicas extremas do Pantanal é algo maravilhoso e merece ser preservado como patrimônio cultural e genético do nosso Estado", concluiu.

Veja Também
Prefeitura realiza dia de campo para incentivar cultura da mandioca na Capital
Rally temático percorre lavouras de soja do MS
Segunda, 11 de Dezembro de 2017 - 10h54Agricultores familiares de Mundo Novo são beneficiados com patrulha mecanizada Patrulha mecanizada é um conjunto de máquinas que foi adquirido por meio da emenda parlamentar do ex-senador Ruben Figueiró
Com clima favorável, plantio de soja é concluído em MS
Governo estadual autoriza redução da carga tributária do leite spot
Programa Saúde do Homem e da Mulher Rural mobiliza comunidade de Jateí
Em MS, 35% dos imóveis rurais não se cadastraram no CAR
Cerimônia de entrega de certificados do Senar/MS  mostra importância da educação no Agro
Segunda, 27 de Novembro de 2017 - 09h08Governo de MS lança aplicativo que colocará dados dos equídeos na palma da mão do criador Programa faz parte das ações do planejamento estratégico da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal
Concluído o plantio da safra 2017/2018
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento