Menu
18 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Agropecuária

Projeto de lei reconhece bovino pantaneiro como patrimônio cultural de MS

Proposta foi apresentada por Felipe Orro na sessão plenária desta terça-feira

1 Ago2017Da redação18h18

O deputado Felipe Orro (PSDB) apresentou projeto de lei, durante a sessão plenária desta terça-feira (1/8), que reconhece o bovino pantaneiro como Patrimônio Cultural e Genético de Mato Grosso do Sul, "por constituir patrimônio natural portador de referência e identidade às ações e à memória da sociedade sul-mato-grossense". Na justificativa da proposta, o parlamentar faz um retrospecto da história e importância da raça para a identidade do Estado.

"A origem dos bovinos pantaneiros se confunde com os primórdios da pecuária no Pantanal. Também chamado de cuiabano, jofreano, taquati, taboqueano ou tucura, este bovino está intimamente associado às tradições culturais do povo pantaneiro, estando eternizado nas poesias e nas modas de viola como 'boi soberano', 'boi fumaça', 'boi cigano', entre outros", afirmou Orro.

Segundo ele, os primeiros registros da raça ocorreram por volta do ano 1500, quando os ancestrais ibéricos, portadores de genes taurinos, foram inicialmente introduzidos pelos canais do Rio da Prata e Rio Paraguai, por expedições espanholas que vinham em busca de metais preciosos no Peru. Posteriormente, de 1725 a 1736, com o Ciclo do Ouro, outros grupos genéticos de origem portuguesa foram trazidos para o Pantanal. Assim, do cruzamento das raças surgiu o chamado bovino pantaneiro, com DNA essencialmente europeu e oriundo essencialmente da miscigenação de 11 raças, sendo cinco espanholas e seis portuguesas.

Em 1928, criadores da Nhecolândia, na região compreendida pelos rios Taquari, Negro, Miranda e Paraguai, introduziram touros das raças Shorthorn e Hereford, com o intuito de melhorar as características zootécnicas do gado pantaneiro. O deputado Orro reiterou que o bovino pantaneiro entrou em decadência no início do séculos XX, em função de cruzamentos com outras raças, em especial os zebuínos, como a raça Nelore, mas é um grupo genético altamente adaptado ao ambiente peculiar do Pantanal. "Saber que existe um gado europeu geneticamente resistente e adaptado às condições ecológicas extremas do Pantanal é algo maravilhoso e merece ser preservado como patrimônio cultural e genético do nosso Estado", concluiu.

Veja Também

Embrapa realiza curso de melhoramento genético na Capital
Vazio sanitário da soja está em vigor em Mato Grosso do Sul
Safra de grãos tem queda de 5,3%
Pecuária precisa de subsídios
Genética Raça Nelore tem um de seus principais leilões No calendário de leilões de alta genética da raça Nelore o Anual Carpa é um dos mais concorridos do circuito nacional
Tributação de ICMS na horticultura é tema de palestra na Famasul
Câmara discute criação da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos
Prorrogada vacinação da aftose e brucelose
CMN reduz juros do FCO Rural e taxa fica mais atrativa
No Pantanal, vacinação contra febre aftosa prossegue até 30 de julho