Menu
20 de janeiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Agropecuária

Produzir orgânicos é renda e saúde

Agricultor da Capital fugiu dos problemas de pele causados por agroquímicos e ganha mais dinheiro

31 Out2018Valdelice Bonifácio18h26
(Foto: Marco Miatelo)
  • Valter Neumann, de 49 anos, feliz na horta orgânica de onde tira seu sustento, no Bairro Nova Campo Grande
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • Agricultor mostra a pele das mãos, prejudicada devido ao manuseio de agroquímicos
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

À luz do entardecer, Valter Neumann, de 49 anos, acompanha a irrigação das hortaliças, raízes e frutos que ele cultiva sem agroquímicos. A plantação é seu sustento, seu orgulho e sua saúde. Foi cultivando orgânicos que ele fugiu dos problemas de pele que surgiram quando cultivava lavouras à maneira convencional. Também foi comercializando sua produção natural que conquistou uma clientela cativa e desejosa de alimentos saudáveis.

Neumann mostra as marcas que contraiu nas mãos devido ao manejo dos agrotóxicos. A pele ficou espinhosa, mas ele garante que não adquiriu qualquer outro problema de saúde. Antes que isso ocorresse, deu uma guinada em seu modo de produzir alimentos e continuou vivendo do que mais gosta, a agricultura.

Ele aluga um terreno de pouco mais de um hectare na região do Nova Tiradentes, em Campo Grande, onde cultiva alface, rúcula, couve, cebolinha, cenoura, beterraba e outros. “Não uso qualquer produto. O adubo para a terra é natural, uso o esterco de galinha e de cavalo, por exemplo”, relatou.

Neumann está no local há 12 anos e descobriu que o orgânico é um negócio rentável. “O custo da produção é menor, por que eu não compro agroquímicos”, afirma. A água usada é de um poço aberto na área. “Não se pode usar água com cloro. Tem que ser a natural”, ressalta.

Ele não faz entregas. É a própria clientela que vem à horta para comprar os produtos. O produtor não revela números de sua produção, mas afirma que planta cerca de mil pés de alface por semana e 800 maços de rúcula, por exemplo.

Embora não se tenha números precisos da produção de orgânicos em Campo Grande e no Estado, é certo que a procura por estes alimentos tem crescido. MS tem 152 cadastros no Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) como agricultores orgânicos.

O local de cultivo e venda dos produtos de Valter Neumann fica na Avenida Oceania, 894, Bairro Nova Tiradentes.

Veja Também

Monitoramento via satélite auxilia resultados de pesquisas em lavouras de MS
Prazo para cadastrar áreas de soja termina nesta quinta-feira
Em MS estiagem diminui a expectativa de produção de soja em 11%
Estado prorroga período de plantio da soja para Bodoquena e Miranda
Chile abre mercado à carne bovina de todo MS
Campanha de vacinação contra aftosa já atingiu 99% do rebanho
Resíduos tóxicos Sistema vai rastrear vegetais frescos Objetivo foi monitorar e realizar o controle de eventuais resíduos de agrotóxicos em. Frutas e hortaliças
Safra Área de soja na Região Centro-Oeste dobrou em 11 anos A principal cultura da agropecuária brasileira teve forte crescimento
Chegada das chuvas favorece pastagem
MS colherá 10 milhões de tonelada de grãos