Menu
21 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner FIEMS - Mês da Industria
Agropecuária

Iagro intensifica ações contra raiva em Mato Grosso do Sul

Até o mês de agosto, doença matou aproximadamente 50 animais

5 Set2017Da redação17h15

Dando continuidade às ações e diante dos últimos casos de raiva em Mato Grosso do Sul, três equipes que trabalham com o controle da doença na Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) realizaram nos últimos sessenta dias, atividades voltadas a prevenção e controle de ocorrência da enfermidade.

Segundo balanço apresentado pelo Fiscal Estadual Agropecuário, da Coordenação Estadual dos Programas, Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH) e de Prevenção e Vigilância da Encefalopatia Espongiforme Bovina (/PNEEB), Fabio Shiroma de Araujo, desde 2014 a agência havia registrado uma redução nos focos.

Segundo Shiroma, este ano, membros da coordenação e da equipe de Nova Alvorada do Sul realizaram ações preventivas naquele município e em Rio Brilhante às margens do Rio Vacaria e seus afluentes com vigilância em 21 propriedades rurais com 7 abrigos vistoriados tendo capturados e controlados 86 morcegos hematófagos.

Já a equipe da unidade Regional de Naviraí realizou ações preventivas nos municípios de Caarapó, Juti, Naviraí, Mundo Novo e Iguatemi com vigilância em 22 propriedades rurais com 34 abrigos vistoriados tendo capturados e controlados 225 morcegos hematófagos.

A equipe da Regional de Três Lagoas e da Regional Nova Andradina realizaram ações de perifoco no município de Taquarussu com vigilância em 34 propriedades rurais com 23 abrigos vistoriados tendo capturados e controlados 124 morcegos hematófagos.

E a equipe da Regional de Amambaí e de Nova Alvorada do Sul realizaram ações de perifoco nos municípios de Amambaí e Aral Moreira com vigilância em 98 propriedades rurais com 21 abrigos vistoriados tendo capturados e controlados 103 morcegos hematófagos. Em especial nesta região um alerta já foi feito aos responsáveis de propriedades rurais próximas ao Rio Amambaí e seus afluentes através dos Sindicatos Rurais da região, pois dos 24 casos registrados 11 foram em Aral Moreira, 03 em Amambaí e 02 em Coronel Sapucaia.

Até agosto foi relatado à morte de aproximadamente 50 animais com sinais clínicos, sendo que o aparecimento de mais animais doentes é o mais provável, até todos os animais estejam com protegidos pela vacina.

Isso por que o período de incubação é relativamente longo (tempo que o animal foi exposto ao vírus até o aparecimento dos sinais clínicos) varia em média de 45 a 60 dias e que a resposta imunológica à vacinação inicia-se em média com 7 a 10 dias. Por isso, é comum o aparecimento de animais que vieram a óbito mesmo sendo tendo vacinado.

Além destas ações, a coordenação do Programa de Controle da Raiva realizou intenso trabalho de esclarecimento ao conceder entrevistas às emissoras de rádios e jornais da região, e realizar palestra para 27 produtores rurais no Sindicato Rural de Amambaí tratando sobre a ocorrência da raiva na região e a ações para prevenção de novos casos.

A raiva é uma enfermidade que acomete o Sistema Nervoso Central (SNC) dos mamíferos, inclusive o Homem, e que a letalidade é próxima a 100%.

No caso do produtor rural ter conhecimento de animais com sintomatologia nervosa e/ou presença de possíveis abrigos na região, a Iagro recomenda não manusear o animal e comunicar a Unidade Local mais próxima. Se alguém entrar em contato com animal com suspeita de raiva ou agredido por cães, gatos ou morcegos, procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência.

Veja Também

Exportações de carne bovina de MS crescem 5,6%
Programa ABC Cerrado abre vagas para capacitar produtores rurais
MS terá debate sobre energias renováveis na agricultura familiar
Rebanho pode ser dispensado de vacina em 2023
Cultivo de soja convencional tende a crescer em MS
Prazo para adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural é prorrogado
Quebra da safra argentina impulsiona  exportação de farelo de soja de MS
Vacinação contra febre aftosa começa em maio
Em Corumbá, pecuaristas devem vacinar 2 milhões de animais contra aftosa
Drone e ferramentas artesanais fazem sucesso na 3ª edição da Tecnofam