Campo Grande •17 de Agosto de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner FM Cidade

Da redação | Sexta, 4 de Agosto de 2017 - 14h21Embrapa traça perfil produtivo da região pantaneiraEstudos investigam características econômicas e ambientais do Pantanal

(Foto: Divulgação)

A grande diversidade ambiental do bioma pantaneiro permitiu que a região passasse por diversos ciclos econômicos em sua história. Durante palestras, reuniões e visitas realizadas no estado de Mato Grosso em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Estado de Mato Grosso (SENAR/MT), representantes da Embrapa Pantanal discutiram as características ambientais e econômicas do bioma com estudantes, técnicos e produtores rurais.

Localizado no centro-oeste, o Pantanal tem cerca de 140 mil km² em sua porção brasileira e 200 mil km ² de extensão total, segundo o pesquisador José Comastri Filho, da Embrapa Pantanal. Ele é dividido em 11 sub-regiões presentes em sete municípios de MT e 16 cidades do MS. Atualmente, sua produção agropecuária conta com a produção agrícola de subsistência na planície pantaneira, agricultura familiar e commodities do agronegócio na parte alta do bioma. A produção pesqueira chega a 2,5 mil toneladas de peixes anualmente. Já a bovina produz cerca de 3,9 milhões de cabeças na planície, com quase um milhão de bezerros e 234 mil bovinos adultos de descarte por ano.

Economia e história - “O ciclo econômico do ouro foi o primeiro na região. Depois, veio o da cana-de-açúcar, seguido pelo das charqueadas quando a produção de cana deixou de ser atrativa (em função do alto custo e da concorrência com a produção de açúcar de beterraba em países da Europa). A transformação das usinas em grandes fazendas iniciou o ciclo das charqueadas, aproveitando a grande quantidade de gado na região, e depois disso entramos no ciclo da pecuária, que remonta ao século 18 e continua até hoje”, conta o pesquisador.

Para Comastri, a venda de boi magro trouxe um grande potencial econômico ao Pantanal no passado. Os animais eram comercializados para recria e engorda nas pastagens do noroeste paulista e do triângulo mineiro. Hoje, os pecuaristas apostam na produção de bezerros e bezerras de qualidade, afirma, para atender às demandas do novo ciclo – investindo em melhores índices zootécnicos e na diversificação da atividade com o apoio de tecnologias desenvolvidas por instituições como a Embrapa. “Melhoramos a relação touro-vaca, que passou de um touro para dez vacas e chegou a um touro para até 30 vacas, dependendo da qualidade da pastagem, por exemplo”.

Profissionalização da pecuária - Técnicas como o uso da Inseminação artificial em tempo fixo – IATF (que programa a inseminação de vários animais em um mesmo período para otimizar o trabalho) tiveram grande impacto, segundo o pesquisador, no aumento das taxas de natalidade registradas pela Embrapa na região: os índices de vacas prenhas foram de 50% - 55% a 65% - 70%. O objetivo é elevar essas taxas a até 90%. “O uso da IATF tem vários adeptos. A tecnologia busca produzir animais de qualidade com a melhora dos índices de natalidade, favorecendo a vida útil dessas vacas”.

Comastri cita, ainda, outros recursos elaborados recomendados pela instituição que podem beneficiar a produção pecuária local, como a desmama precoce, o uso de genética melhorada e o fornecimento de pastagens – nativas ou cultivadas, dependendo de cada propriedade – de qualidade aos rebanhos. O suporte alimentar, de acordo com o pesquisador, é fundamental para permitir a expressão de uma boa genética no campo e as boas práticas de manejo são um fator importante, neste caso: evitar o desmatamento indiscriminado e ajustar a taxa de lotação das pastagens podem fazer toda a diferença na boa nutrição dos animais. “No geral, o Pantanal é um bioma que tem um índice de produtividade muito bom, muito alto”, finaliza.

Veja Também
1ª Expoequestre será realizada em outubro na Capital
Brasil receberá técnicos americanos para inspeção veterinária
Intoxicação alimentar matou bovinos, conclui Iagro
Sexta, 11 de Agosto de 2017 - 11h25Conab aumenta participação de MS em leilões de milho, mas ainda está abaixo do necessário Produção de milho em Mato Grosso do Sul representa 21,2% da produção total da região Centro-Oeste
MS recebe eventos do Rally da Pecuária
Iagro suspeita de botulismo na morte de bovinos
Projeto de lei reconhece bovino pantaneiro como patrimônio cultural de MS
Rally da Pecuária realiza evento em Campo Grande
Produtor de leite adapta técnica e produz aveia hidropônica
Lei proíbe 'safrinha' da soja e muda prazo de plantio para barrar ferrugem asiática
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento